sicnot

Perfil

País

Temperaturas máximas vão subir até quinta-feira

As temperaturas máximas vão subir gradualmente a partir de hoje e até quinta-feira, dia em que deverão variar entre os 35 e os 38 graus na Beira Baixa e no Alentejo.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"A partir de hoje e até quinta-feira, estamos a prever céu pouco nublado ou limpo, vento em geral fraco, sendo temporariamente moderado no litoral oeste durante a tarde e forte nas terras altas. Estamos também a prever uma subida da temperatura máxima a partir de hoje e até quinta-feira", adiantou à agência Lusa Patrícia Gomes.

De acordo com a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a quinta-feira será o dia mais quente da semana.

"Hoje, já tivemos uma subida da ordem dos dois a 4 graus Celsius, dependendo da região do país, e amanhã [quarta-feira] vamos ter mais uma subida entre os dois e os quatro graus", disse.

Nos próximo dias, segundo Patrícia Gomes, as temperaturas máximas vão situar-se acima dos 30 graus em Portugal continental, com exceção das regiões da faixa costeira.

"Na quinta-feira as temperaturas máximas vão variar entre os 33 e os 35 graus nas regiões do norte e centro e entre os 35 e os 38 na Beira Baixa e no interior do Alentejo", precisou.

A meteorologista do IPMA disse ainda que a partir de sexta-feira está prevista uma descida da temperatura na ordem dos dois a quatro graus.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.