sicnot

Perfil

País

Inquérito às causas de duas mortes em Abrantes vai demorar vários dias

Os resultados do inquérito ao acidente de trabalho que vitimou mortalmente dois homens em Abrantes, na segunda-feira, deverão "demorar vários dias" a serem conhecidos, disse hoje à Lusa fonte da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

Ao final da tarde de segunda-feira, cerca das 18:00, a queda de uma placa de betão de revestimento da fachada do edifício da nova Unidade de saúde Familiar (USF) de Abrantes, com um peso de cerca de duas toneladas, provocou a morte por esmagamento a dois dos trabalhadores, de 35 e 49 anos.

A fonte da Autoridade para a Condições do Trabalho (ACT) indicou que os inspetores "estão no estaleiro em averiguações".

"É preciso ouvir testemunhas, consultar documentos, fazer o histórico dos riscos de trabalho na empresa e no local, averiguar os horários de trabalho e outras situações que demoram sempre o seu tempo", destacou a mesma fonte, observando que os resultados até podem não vir a público, caso seja aberto um inquérito judicial que obrigue ao sigilo dos elementos apurados.

"É ainda muito prematuro, mas, e num mero exercício de possíveis desfechos, do processo de inquérito do ACT deverão resultar e serem apontadas as infrações detetadas, com a respetiva notificação ou recomendações para o empreiteiro corrigir, em termos de riscos de acidentes de trabalho. Se houver responsabilidades criminais, pode haver coimas ou inquérito judicial, mas é tudo ainda muito prematuro e vai demorar tempo até que sejam apuradas as causas deste acidente", acrescentou.

O novo equipamento, que está a ser construído na Rua Nossa Senhora da Conceição, no centro da cidade, conta com três pisos e está em fase final de construção.

Em declarações à Lusa, a presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, lamentou o incidente e disse que as obras ficam paradas durante dois dias "por luto para com os trabalhadores falecidos e respeito para com os seus familiares".

Segundo a autarca, o acidente, "em princípio, não afetará a conclusão das obras", que se prevê para dentro de poucas semanas.

A nova Unidade de Saúde Familiar de Abrantes vai substituir o centro de saúde instalado no edifício do hospital Manuel Constâncio.

No local estiveram os Bombeiros Voluntários de Abrantes, a viatura médica de emergência e reanimação do Médio Tejo, a PSP e uma unidade de apoio psicológico do Instituto Nacional de Emergência Médica, num total de 17 operacionais e sete veículos.

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14

    Crise Migratória na Europa

    Mais de 160 pessoas foram resgatadas de uma embarcação de borracha que estava à deriva junto à zona costeira da Líbia. As imagens do resgate são de aflição, lágrimas e gritos. "Estou grávida! Estou a morrer!", disse uma das mulheres que conseguiu salvar-se. Foram ainda encontrados 13 cadáveres no fundo do barco, entre eles mães e mulheres grávidas. As imagens podem chocar as pessoas mais sensíveis.

  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.