sicnot

Perfil

País

Dívida pública portuguesa recua 1% entre abril e junho

A dívida pública portuguesa recuou 1% entre abril e junho deste ano. Ainda assim, continua longe do objetivo de se fixar em pouco mais de 124% do PIB em 2015.

A dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, recuou no segundo trimestre deste ano para os 128,6% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo o Banco de Portugal.

De acordo com o boletim estatístico hoje divulgado pelo Banco de Portugal, no final de junho, a dívida pública de Portugal ascendia a 225.456 milhões de euros, mais de 3.700 milhões abaixo do valor verificado no final do mês anterior, em que se cifrou nos 229.204 milhões de euros.

Comparando com o primeiro trimestre do ano, o último período para o qual o banco central disponibiliza o rácio da dívida sobre o PIB, este indicador passou os 129,6% em março para os 128,6% em junho.

Já a dívida líquida dos depósitos da administração pública foi de 210.737 milhões de euros em junho, o equivalente a 120,2% do PIB, tendo no entanto representado um aumento face ao verificado no final do primeiro trimestre, em que a dívida excluindo estes depósitos foi de 119,8% do PIB.

A dívida na ótica de Maastricht é utilizada para medir o nível de endividamento das administrações públicas de um país e o conceito está definido num regulamento de 2009 do Conselho Europeu, relativo à aplicação do protocolo sobre o procedimento relativo dos défices excessivos anexo ao Tratado que institui a Comunidade Europeia.

O Governo estima que a dívida pública se reduza para os 124,2% do PIB no final deste ano, uma previsão mais otimista do que a da Comissão Europeia que antecipa que o endividamento público português feche o ano nos 130,2% do PIB.

Excluindo os depósitos da administração pública, o Governo prevê que a dívida pública seja de 116,5% do PIB no final de 2015.

Com Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.