sicnot

Perfil

País

Treze concelhos de cinco distritos em risco máximo de incêndio

Treze concelhos dos distritos de Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Guarda e Aveiro apresentam esta quinta-feira risco máximo de incêndio, segundo informação disponível na página do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) na Internet.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com o IPMA, em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Vila de Rei, Sertã, Oleiros (Castelo Branco), Pampilhosa da Serra, Arganil, Góis e Miranda do Corvo (Coimbra),Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande, Lousã (Leiria), Sabugal e Trancoso (Guarda) e Arouca (Aveiro).

O IPMA colocou também em risco muito elevado e elevado de incêndio vários concelhos de todos os distritos de Portugal continental com exceção de Lisboa.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre reduzido e máximo.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para hoje no continente céu geralmente limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade nas regiões sul e interior centro durante a tarde e vento fraco, soprando temporariamente moderado durante a tarde, de noroeste no litoral oeste e nas terras altas e de sueste na costa sul do Algarve.

Está também prevista neblina ou nevoeiro matinal em alguns locais do litoral e pequena subida de temperatura.

Em Lisboa as temperaturas vão oscilar entre os 19 e os 34 graus Celsius, no Porto entre 15 e 27, em Bragança entre 15 e 34, em Viseu entre 17 e 34, na Guarda entre 18 e 31, em Coimbra entre 17 e 32, em Leiria entre 14 e 30, em Castelo Branco entre 19 e 36, em Portalegre entre 21 e 36, em Santarém entre 17 e 36, em Évora entre 18 e 36, em Beja entre 19 e 36 e em Faro entre 20 e 29.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.