sicnot

Perfil

País

Mais pedagogia e menos repressão, polícias começam protesto

As estruturas sindicais da Polícia de Segurança Pública apelaram para que a partir de hoje e até final de setembro os polícias façam "mais pedagogia" e "menos repressão". É um protesto contra a falta de aprovação às alterações ao Estatuto profissional.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Trata-se de uma das medidas decididas pela Associação Sindical dos Profissionais de Polícia/Polícia de Segurança Pública (ASPP/PSP), pelo Sindicato dos Profissionais da Polícia (SPP/PSP), Sindicato Independente dos Agentes da Polícia (SIAP) e Sindicato Vertical de Carreiras da Polícia (SVCP), numa reunião conjunta, realizada na semana passada, em Lisboa.

"Vamos apelar aos colegas para que, até final de setembro, se cinjam a fazer mais prevenção ou exclusivamente prevenção e repressão zero, desde que não esteja em causa o maior interesse público ou a vida de qualquer cidadão, porque é preciso que os polícias deem um sinal claro de que não podem concordar com um Governo que diz e não faz, que se compromete e não cumpre", disse, na altura à imprensa o dirigente da ASPP/PSP, Paulo Rodrigues.

Em causa está o facto de o Governo continuar sem aprovar as alterações ao Estatuto da Polícia, um documento com que, segundo Paulo Rodrigues, o executivo se comprometeu há quatro anos e que continua por viabilizar apesar de haver um memorando concluído desde julho.

Ações de protesto, entre as quais manifestações, a realizar a partir de 31 de agosto e todo o mês de setembro, "um pouco por todo o país", foram outras das ações decididas pelas quatro estruturas sindicais que, segundo o dirigente da ASPP/PSP, representam mais de 80% dos polícias.

Já depois de anunciadas as medidas decididas por aquelas associações sindicais, a ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, disse, em Viana do Castelo, que o "processo legislativo" do Estatuto da PSP "estará terminado até final do mês de agosto".

No memorando assinado entre o MAI e quatro sindicatos da PSP ficou estabelecido que os polícias mantinham as 36 horas de trabalho e passavam a ter uma nova tabela remuneratória, que permitiria um aumento de salário até 50 euros, além de permitir que a passagem à pré-aposentação passe a ser automática aos 55 anos de idade e 36 anos de serviço e a reforma aos 60 anos sem qualquer penalização.

Lusa

  • Polícias vão protestar todos os dias até às eleições legislativas
    2:10

    País

    Os polícias vão fazer uma espécie de greve de zelo às multas na próxima segunda-feira, dia 24 de agosto. É a primeira de uma sucessão de ações de protesto diárias, até às eleições legislativas, que quatro sindicatos aprovaram esta terça-feira, e vão realizar por todo o país até final de setembro.

  • Polícias fazem greve de zelo às multas na próxima 2ª feira
    1:57

    País

    Os polícias vão fazer uma espécie de greve de zelo às multas na próxima segunda-feira, dia 24 de agosto. É a primeira de uma sucessão de ações de protesto diárias que os sindicatos de polícia aprovaram hoje e vão realizar por todo o país até final de setembro. Os agentes da PSP contestam a não aprovação em Conselho de Ministros das alterações ao Estatuto da PSP assinado pelo governo.

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.