sicnot

Perfil

País

Segurança Social acusada de entregar equipamento social de Castelo Branco a IPSS da Guarda

O Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas acusou hoje o Instituto da Segurança Social (ISS) de entregar a gestão de um equipamento social de Castelo Branco a uma IPSS da Guarda, colocando em risco 25 trabalhadores.

"O ISS volta a entregar um equipamento de ação social, Casa da Tapada da Renda, pertencente ao Centro Distrital de Castelo Branco, a uma IPSS -- Instituição Particular de Segurança Social, (Associação de Desenvolvimento e Melhoramentos Estrela), com o intuito de ser esta a fazer a gestão desse equipamento depois de 01 de setembro", refere em comunicado o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas (STFPSSRA).

Segundo o sindicato, "estão em causa 25 postos de trabalho que, com a mistificação de estarem garantidos no acordo de cedência, serão extintos".

Isto porque - sustentam - no acordo de cedência está expresso que, "para além de deixarem de ter funções próprias, os trabalhadores só lá ficam um ano e depois são largados à sua sorte, ou seja, ficam sem trabalho e, como consequência lógica, serão enviados para a requalificação/despedimento", lê-se no comunicado.

À agência Lusa, a sindicalista Cristina Hipólito adiantou que todo o processo decorre em pleno mês de agosto e acusa o ISS de "não ter negociado com ninguém" e de ter avançado com o processo "à revelia e com alguns trabalhadores de férias".

"Estranho a falta de democracia no processo e este tipo de comportamento do ISS", afirmou.

O ISS foi contactado por escrito pela agência Lusa, mas até ao momento ainda não foi possível qualquer esclarecimento sobre o assunto.

A Lusa tentou também contactar telefonicamente o diretor do Centro Distrital de Castelo Branco da Segurança Social, mas as tentativas revelaram-se infrutíferas.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares