sicnot

Perfil

País

Turista que morreu na ilha do Corvo era portuguesa e tinha 33 anos

A turista que morreu hoje num acidente de viação na ilha do Corvo, nos Açores, tinha 33 anos e é de nacionalidade portuguesa, disse à Lusa fonte da Proteção Civil regional.

"A vítima mortal era portuguesa e tinha 33 anos", disse a fonte.

Segundo a mesma fonte, o acidente provocou também seis feridos, com idades compreendidas entre 19 e 55 anos, sendo que um está em estado grave.

O ferido grave vai ser transferido para o hospital de Ponta Delgada, São Miguel.

A vítima mortal vai ser transportada para a morgue da ilha das Flores, segundo a mesma fonte.

Segundo a fonte da Proteção Civil regional, o acidente com uma carrinha de turistas ocorreu na sequência de um despiste na estrada que liga a Vila do Corvo ao Caldeirão.

Para o local foram enviadas duas equipas médicas, uma desde a Terceira e outra desde a ilha das Flores.

No total, foram mobilizados três médicos, três enfermeiros e quatro bombeiros com formação pré-hospitalar, assim como um helicóptero da Forças Aérea.

O Corvo, onde vivem 400 pessoas, é a ilha mais pequena dos Açores.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".