sicnot

Perfil

País

É preciso olhar para o futuro com confiança, diz Passos Coelho

É preciso olhar para o futuro com confiança, diz Passos Coelho

O primeiro-ministro diz que é preciso olhar o futuro com confiança e que as dificuldades servem muitas vezes para nos fortalecer. A partir de chaves, Passos Coelho a deixar ainda um aviso: a falta de prudência pode trazer um mau futuro.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, destacou hoje o investimento estratégico que Chaves está a fazer no setor termal e defendeu que esta especialidade deve funcionar em complemento com os serviços de saúde.

Passos Coelho passou a manhã neste concelho do distrito de Vila Real, onde descerrou quatro placas, fez três inaugurações de arruamentos e requalificação do balneário termal de Chaves e visitou ainda o futuro balneário termal de Vidago.

O investimento total que Chaves fez em arruamentos e no setor termal é de 10,4 milhões de euros.

O primeiro-ministro quis destacar o "investimento significativo e estratégico" que o município do Alto Tâmega está a concretizar e considerou que Chaves "está na linha da frente" da procura termal.

Referiu ainda que esta aposta ajuda a alavancar a atividade económica deste concelho e dos municípios vizinhos.

Pedro Passos Coelho defendeu ainda uma "grande articulação" entre o termalismo e a oferta do Serviço Nacional de Saúde, mais concretamente o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), considerando que seria "um benefício acrescido".

Trata-se de recursos públicos, do Estado e municipais, que, na sua opinião, devem estar à disposição de todos os cidadãos.

"É indispensável tirar o maior partido possível destes investimentos", sublinhou.

E destacou, por exemplo, o trabalho que pode ser feito em certas especialidades como a ortopedia ou a medicina de reabilitação, que estão a ser desenvolvidas no balneário termal de Chaves e que podem ser bem coordenadas com o CHTMAD.

Este trabalho complementar entre o termalismo e a saúde foi um desafio lançado pelo presidente da Câmara de Chaves, António Cabeleira, que o primeiro-ministro disse que iria levar até ao ministro da Saúde.

Passos Coelho referiu que tem assistido a uma melhoria da qualidade de vida no interior do país, no entanto considerou que estes territórios "mantêm uma grande sangria" de pessoas que partem à procura de empregos.

Por isso, defendeu que é importante apostar "naquilo que diferencia" estas regiões, como por exemplo o termalismo em Chaves e aqui destacou ainda o futuro museu das termas de Chaves como um fator de atração turística.

O espaço que dará lugar ao museu foi, inicialmente, projetado para um parque de estacionamento, mas as escavações arqueológicas puseram a descoberto os vestígios de uma muralha seiscentista e um complexo termal romano, travando a continuação do projeto.

Depois de inaugurar a requalificação das ruas adjacentes ao Vidago Palace Hotel e ao novo balneário de Vidago, o chefe do Governo disse esperar que estes investimentos atraiam outros investidores para a recuperação de alguns imóveis próximos.

"Espero que este esforço que tem vindo a ser feito seja coroado de êxito porque há muita qualidade nestas terras e vale a pena investir nelas", frisou.

Em Chaves, o governante provou a água quente que sai das termas de Chaves e, mais ao final da manhã, já na vila de Vidago, ainda teve tempo para tirar uma 'selfie' com uma apoiante antes de visitar o Balneário Pedagógico de Investigação e Desenvolvimento de Práticas Termais.

Esta obra está pronta mas, devido a motivos técnicos, só deverá abrir ao público na próxima época, que arranca no período da Páscoa.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.