sicnot

Perfil

País

Urgências, cirurgias e consultas aumentaram no 1.º semestre

O número de cirurgias programadas e o de consultas externas realizadas nos hospitais públicos subiu no primeiro semestre de 2015, face ao período homólogo, mas os episódios de urgência também aumentaram, com mais 10.915 casos.

© Pascal Lauener / Reuters


De acordo com os dados da atividade assistencial dos primeiros seis meses deste ano, da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), hoje divulgados, no total, o número de intervenções cirúrgicas nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde aumentaram 0,2 por cento (mais 563), sendo que no total se realizaram mais de 286 mil intervenções.

No entanto, este aumento global deve-se em particular à cirurgia de ambulatório, que aumentou 1,4% (mais 2.388), já que as cirurgias convencionais diminuíram 1,5% (menos 1.825).

Do total de cirurgias realizadas no período em análise, 58,4% ocorreram em ambulatório, ao passo que esta percentagem foi de 57,7% em 2014.

Quanto às consultas médicas externas, também aumentaram, tendo-se realizado mais 71,9 mil consultas do que no ano anterior, o que se traduz numa variação de 1,2%.

Para este aumento, concorreram as primeiras consultas, que cresceram 2,1%, mas também as consultas subsequentes, que aumentaram 0,8%.

A ACSS salienta "a tendência de aumento da produção de consultas nos hospitais do SNS que se tem registado nos últimos anos, destacando-se pela positiva o crescimento das primeiras consultas".

Ao nível das urgências hospitalares, houve um aumento de 0,4%, com mais 10,9 mil episódios do que no mesmo período do ano passado.

Segundo os dados da ACSS, o valor global de consultas prestado pelo SNS, quer ao nível hospitalar, quer dos cuidados de saúde primários, continuou a registar uma evolução positiva, tendo alcançado as 21.353.814 consultas, mais 16.855 (0,1%) do que no período homólogo.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.