sicnot

Perfil

País

Grupo CP agrava prejuízos no primeiro semestre para 118,6 milhões de euros

O grupo CP - Comboios de Portugal agravou os prejuízos no primeiro semestre para 118,6 milhões de euros, face às perdas de 112,3 milhões de euros registadas no mesmo período do ano anterior, informou hoje a empresa.

(SIC/ Arquivo)

No relatório e contas hoje divulgado, a empresa justifica o aumento dos prejuízos com a ausência de indemnizações compensatórias (atribuídas pelo Governo) e o acréscimo de provisões, que ainda assim foi parcialmente compensado pela redução dos encargos com juros suportados pela companhia liderada por Manuel Queiró.

No primeiro semestre, os proveitos com o tráfego - de passageiros e de mercadorias - aumentaram 6% face ao período homólogo para 138,4 milhões de euros, refletindo o aumento do número de passageiros em 2% e da carga transportada pela CP Carga em 11%, empresa entretanto alienada à MSC Rail.

O último semestre da empresa sob a tutela do Estado foi "bastante promissor", lê-se no relatório hoje divulgado, dando conta de um acréscimo de 11% nas toneladas transportadas e de 16% nas receitas, com o crescimento a ser generalizado à maioria dos tráfegos, com destaque para carvão, produtos siderúrgicos e combustíveis.

Neste contexto, os prejuízos da CP Carga caíram para os seis milhões de euros até junho, face aos dez milhões de euros do período homólogo.

O Governo decidiu a 23 de julho vender 100% da CP Carga, empresa detida a 100% pela CP -- Comboios de Portugal que se dedica ao transporte de mercadorias e de bens, à MSC - Operadores Ferroviários.

Já a CP -- Comboios de Portugal agravou os prejuízos, para os 115,5 milhões de euros nos primeiros seis meses, na sequência essencialmente da ausência de indemnizações compensatórias pelo Estado.

A CP chegou ao final de junho com 2.708 colaboradores, menos 47 trabalhadores do que em junho de 2014.

No grupo, destaca-se ainda o comportamento da EMEF - Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, que fechou o primeiro semestre com lucro de 1,5 milhões de euros, quando no semestre homólogo tinha registado prejuízos de 2,7 milhões de euros, refletindo um acréscimo de faturação, tanto na reparação como na manutenção em 30% e 11%, respetivamente.

"Este desempenho económico positivo foi impulsionado pelo acréscimo verificado a nível dos rendimentos operacionais, justificado maioritariamente pelo incremento significativo das prestações de serviços para a CP Carga", adianta o grupo.

Em julho, o Governo decidiu não aceitar a proposta apresentada pela Alstom à compra da EMEF, cancelando a operação de privatização, devido à existência de uma queixa da Bombardier à Comissão Europeia, alegando que a empresa recebeu ajudas estatais de 90 milhões de euros.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.