sicnot

Perfil

País

Rangel surpreso com "reação desmesurada" às declarações na Universidade de Verão do PSD

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel manifestou-se esta terça-feira surpreso com a "reação desmesurada" às suas declarações proferidas sábado na Universidade de Verão do partido, nas quais elogiou "o ataque sério e consistente" à corrupção e "promiscuidade".

"Não vou responder ao PS, nem aos modos 'enfurecidos' - segundo a imprensa - da sua reação. O PS usou o conteúdo vasto e complexo da aula como lhe parecia dar mais jeito: Ironicamente, foi essa a reação que trouxe o caso Sócrates para a ribalta. Mas não me cabe defender o PS de si próprio", escreveu Paulo Rangel. (Arquivo)

"Não vou responder ao PS, nem aos modos 'enfurecidos' - segundo a imprensa - da sua reação. O PS usou o conteúdo vasto e complexo da aula como lhe parecia dar mais jeito: Ironicamente, foi essa a reação que trouxe o caso Sócrates para a ribalta. Mas não me cabe defender o PS de si próprio", escreveu Paulo Rangel. (Arquivo)

LUSA

No sábado, na Universidade de Verão do PSD, o eurodeputado social-democrata elogiou o "ataque sério e consistente" feito nos últimos tempos à corrupção e "promiscuidade" e questionou se "alguém acredita que se os socialistas estivessem no poder haveria um primeiro-ministro sob investigação" [José Sócrates] ou "o maior banqueiro estaria sob investigação" [Ricardo Salgado].

Num artigo publicado hoje no jornal Público, Paulo Rangel diz estar surpreso com a "reação desmesurada de tantos à leitura de sociologia criminal e política" e salientou que não vai responder ao PS.

"Não vou responder ao PS, nem aos modos 'enfurecidos' -- segundo a imprensa -- da sua reação. O PS usou o conteúdo vasto e complexo da aula como lhe parecia dar mais jeito: Ironicamente, foi essa a reação que trouxe o caso Sócrates para a ribalta. Mas não me cabe defender o PS de si próprio", sublinhou.

O eurodeputado do PSD diz também que não vai pronunciar-se sobre os comentadores que falaram sobre as suas declarações de sábado.

"(...) Não vou pronunciar-me sobre os comentadores que, nos vários meios, formularam opiniões para todos os gostos. As afirmações, depois de proferidas, ganham vida própria e não cabe ao autor cercear a liberdade e a imaginação de quem retamente as interpreta, intencionalmente as distorce ou inconscientemente as treslê".

No artigo, Paulo Rangel reitera ainda tudo o que disse na Universidade de Verão do PSD.

"Insisto: A perseguição dos poderosos na política ou na finança não é obra do governo, mas o clima social, a disposição popular e atitude dos responsáveis políticos criam um ambiente favorável a um exercício são e pleno da justiça. Foi isto que disse e é isso que reitero", afirma.

De acordo com Paulo Rangel, os mesmos que aplaudiram a acusação judicial do primeiro-ministro islandês por ter desenvolvido uma política que levou o país à bancarrota veem politização da justiça na referência à criação de um ambiente favorável à investigação de um banqueiro e de um líder político, que terão praticado crimes de delito comum.

"Podem dizer o que quiserem. Mas sob o ponto de vista do Estado de Direito, o ar é hoje bem mais respirável do que era em 2009 e 2011", concluiu.

No sábado, pouco depois das declarações de Paulo Rangel, o eurodeputado do PS Francisco Assis acusou o PSD de estar a fazer "uma tentativa clara de partidarização da justiça" e exigiu a Pedro Passos Coelho que clarifique se se reconhece nas declarações do eurodeputado.

O porta-voz do PSD, Marco António Costa, afirmou que a posição oficial do partido, da coligação e do Governo é não comentar assuntos judiciais e recusou acrescentar qualquer posição à proferida por Passos Coelho sobre as declarações de Paulo Rangel.

Também a presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), Maria José Costeira, qualificou as declarações do eurodeputado social-democrata como "infelizes" e que em nada dignificam o discurso político e o secretário-geral do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, Filipe Preces, disse tratar-se de "chicana política".

Lusa

  • Sindicato dos Magistrados considera declarações de Rangel "chicana política"
    2:48

    País

    O Sindicato dos Magistrados diz que as declarações de Paulo Rangel são pura "chicana política" e mostram uma perspetiva de controlo político da atividade do Ministério Público. Na Universidade de Verão do PSD, o eurodeputado questionou se alguém acredita que, com um governo PS, haveria um primeiro-ministro sob investigação. O PSD veio esta segunda-feira demarcar-se destas declarações. Nas redes sociais, vários socialistas condenam a partidarização da justiça, mas alguns respondem na mesma moeda.

  • "Tempestade de fogo" ameaça habitações em Aldeia Galega
    2:41
  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "Se alguém tem conhecimento de mais vítimas deve comunicar de imediato à PJ e ao MP"
    0:48
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34