sicnot

Perfil

País

Homicida da Quinta do Conde fica em prisão preventiva

O homem suspeito da morte de três pessoas na Quinta do Conde vai aguardar julgamento em prisão preventiva.

SIC

O septuagenário que terá disparado sobre dois vizinhos e um soldado da GNR foi hoje presente ao tribunal de Setúbal, tendo-lhe lhe sido decretada a medida de coação de prisão preventiva. O arguido recolheu ao Estabelecimento Prisional de Setúbal cerca das 20:45.

O suspeito, de 77 anos, foi hoje presente a tribunal para primeiro interrogatório, depois de ter recebido alta do Hospital de São Bernardo, em Setúbal, onde se encontrava internado desde sábado.

O caso ocorreu no sábado à tarde. A GNR foi alertada para o tiroteio, numa rua na Quinta do Conde, cerca das 17:00 de sábado, tendo mobilizado várias patrulhas para o local.

Quando chegaram, segundo o tenente-coronel Jorge Goulão, do Comando Territorial de Setúbal, os militares encontraram "um indivíduo já cadáver e outro ferido", ambos "baleados com tiros de caçadeira".

A vítima mortal era um elemento da PSP, fora de serviço, que ouviu tiros e foi abatido quando se dirigiu ao local, revelou à Lusa o presidente do Sindicato Nacional de Polícia (SINAPOL), Armando Ferreira.

Quando os militares da GNR tentavam socorrer o ferido, um guarda foi, também, atingido mortalmente a tiro.

O ferido, um jovem de 23 anos, filho da primeira vítima, viria a falecer posteriormente no Hospital de São Bernardo, em Setúbal, para onde tinha sido transportado em estado grave.

Com Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43