sicnot

Perfil

País

Assunção Cristas sente que cumpriu missão de resolver problema da Casa do Douro

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, afirmou hoje que acaba esta legislatura de consciência tranquila e sentido de missão cumprida por este Governo ter resolvido o problema da Casa do Douro (CD) que já tinha décadas.

Assunção Cistas (Lusa)

Assunção Cistas (Lusa)

LUSA

"Este Governo resolveu o problema da CD, que era um problema que tinha décadas e que, na prática, estava a prejudicar os viticultores durienses, que há muito tempo não tinham maneira de fazer ouvir a sua voz de forma vigorosa, defendendo os seus interesses", disse à agência Lusa.

A CD, com sede no Peso da Régua, foi extinta enquanto associação de direito público a 31 de dezembro de 2014, e no final de maio o Ministério da Agricultura anunciou a escolha da Federação Renovação do Douro como a associação de direito privado e inscrição voluntária que sucede à organização duriense.

"Houve uma reforma muito profunda naquilo que é a organização. Foi um processo que demorou muito tempo, que implicou oito grupos de trabalho, com vários ministérios envolvidos, com produção de legislação, com muito trabalho político, mas eu creio que a solução é boa", frisou.

Criada em 1932, a CD viveu durante anos asfixiada em problemas financeiros e possui uma dívida ao Estado na ordem dos 160 milhões de euros.

O Governo vai agora nomear um administrador liquidatário que irá proceder à regularização das dívidas da extinta CD.

Assunção Cristas disse que o nome do administrador, que terá um "perfil técnico", será anunciado em breve.

"É um administrador liquidatário, tem uma missão muito específica que é resolver a questão da dívida e que demorará tempo, terá de ir traduzindo um determinado património por dinheiro que passará a ser alocado a abater a dívida ao Estado", frisou.

A ministra acrescentou que este processo "durará tempo, decorrerá com tranquilidade no âmbito técnico, de forma que não perturbe em nada aquilo que é o trabalho do Douro e da produção do vinho".

A partir da nomeação do administrador, que será feita através de uma portaria conjunta entre os ministérios da Agricultura e das Finanças, os membros dos órgãos da extinta associação pública ficam com um prazo de "sete dias" para entregar ao administrador "todos os bens, valores monetários e documentos, nomeadamente os de prestação de contas à data de 31 de dezembro, bem como os livros, documentos e demais informação contabilística da associação e o inventário dos respetivos bens e direitos".

A direção da CD pública ficará privada de "quaisquer poderes, bem como de conservar e ocupar os bens móveis e imóveis".

Estes poderes e funções passam a constituir obrigação do administrador, o qual deverá proceder à determinação do ativo, cobrar créditos e alienar bens e direitos, com exceção da alienação dos vinhos, que deve ser objeto de autorização prévia dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das Finanças e Agricultura.

A direção cessante da extinta Casa do Douro já anunciou que interpôs uma providência cautelar para travar a nomeação, por parte do Governo, deste administrador, por considerar que qualquer resolução sobre a CD terá que ser aprovada pela Assembleia da República.

"Está tudo feito de acordo com a lei, nós temos tranquilidade em relação a esta matéria", salientou Assunção Cristas.

A ministra afirmou estar de "consciência tranquila" e com "sentido de missão cumprida".

"Foi um processo difícil porque se trata de uma transformação profunda de algo que era um problema no Douro há muitos e muitos anos, que era o problema da dívida e da dificuldade de representação sustentada, sólida e consequente da viticultura duriense", frisou.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.