sicnot

Perfil

País

Emigrantes portugueses elegem hoje novo Conselho das Comunidades Portuguesas

Os portugueses residentes no estrangeiro votam hoje em todo o mundo para eleger os 80 membros do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP), após uma campanha marcada por críticas à data escolhida.

© Rafael Marchante / Reuters

Os novos conselheiros serão escolhidos pelos emigrantes e lusodescendentes através de voto presencial nos consulados.

As listas candidatas de países como França, Suíça, Bélgica, Alemanha, Reino Unido e Irlanda lamentaram que uma eleição para um órgão representativo das comunidades não tenha tido em consideração a realidade dessas comunidades -- isto é, o facto de a campanha e o escrutínio serem em meses de férias de verão, em que os emigrantes se ausentam dos países em que residem.

Argumentam igualmente que a data escolhida e o processo burocrático limitaram a inscrição de outras listas.

Em França são sete as listas candidatas: três em Paris, duas no círculo eleitoral de Bordéus e Toulouse, uma em Lyon-Marselha e uma em Estrasburgo.

Na Suíça, há, pela primeira vez em 20 anos, uma única lista candidata às eleições para o CCP, "Unidade em Defesa dos Emigrantes".

Também as duas listas candidatas na Bélgica, "Lista da Comunidade" e "Em equipa, em rede, com eficácia", não pouparam críticas ao processo e ao calendário eleitoral.

O círculo do Reino Unido/Irlanda só terá uma lista candidata às eleições para o CCP, "Plataforma Independente"; outras listas procederam à recolha de assinaturas para apresentar a candidatura, mas não conseguiram concluir o processo no prazo estabelecido, 17 de agosto.

O Brasil, que elege no total seis conselheiros, registou apenas a inscrição de duas listas, cada uma com três candidatos, insistindo todos eles na necessidade de um maior recenseamento para fortalecer o conselho, que é um órgão consultivo.

Na Venezuela, onde residem mais de 400 mil portugueses, há apenas três listas candidatas, para eleger seis conselheiros.

Nos Estados Unidos, onde os emigrantes portugueses elegem sete conselheiros, a maioria dos candidatos não tem concorrentes e apenas em uma das cinco regiões que apresentam candidaturas há duas listas.

Na Alemanha, as cinco listas que conseguiram candidatar-se dentro do prazo fixado, fizeram a campanha sobretudo nas redes sociais, devido não só às férias dos emigrantes lusos, mas também às dos próprios candidatos.

Alfredo Stoffel, membro do CCP cessante e cabeça-de-lista pela lista "Voz da Comunidade", da zona norte da Alemanha, às eleições daquele órgão, acusa a embaixada de "falta de transparência" no processo de recolha de assinaturas e admite impugnar as eleições.

O candidato diz que pediu a revisão do processo eleitoral, porque durante a recolha de assinaturas para a formação das listas, "o nome de uma pessoa que não queria fazer parte da lista constava no cabeçalho de apresentação", o que o fez crer que "existem listas aprovadas com menos assinaturas recolhidas do que as necessárias".

Alfredo Stoffel garantiu já ter pedido esclarecimentos à Comissão Nacional de Eleições, ao Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas e à Embaixada de Portugal na Alemanha mas lamentou ter recebido "respostas insatisfatórias ou incompletas".

Às críticas e pedidos de adiamento do escrutínio, o secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, respondeu que a data se manteria, justificando que as eleições para o CCP têm de decorrer até ao fim do mandato do atual Governo e que hoje, 06 de setembro, é o último domingo possível para a sua realização sem cair no período eleitoral para as legislativas de 04 de outubro.

"Nós negociámos longamente com o atual CCP alterações à lei, foi a pedido do atual CCP que prolongámos o processo legislativo e foi a pedido de vários dos seus membros que passámos [as eleições] de antes do verão para depois do verão", argumentou.

O CCP é um órgão consultivo do Governo da República relativamente a assuntos que digam respeito às comunidades portuguesas no estrangeiro.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.