sicnot

Perfil

País

Mais de 150 táxis protestam contra Uber em Faro

Mais de centena e meia de taxistas participaram hoje, em Faro, no protesto que a Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) convocou contra o transporte de passageiros por veículos disponibilizados através da plataforma eletrónica Uber.

SIC

A marcha lenta - que também se realizou nas cidades de Lisboa e do Porto - partiu do Parque das Cidades, junto ao estádio Algarve, cerca das 09:00, e durante aproximadamente duas horas percorreu algumas das principais artérias de Faro, passando também pelo aeroporto local, terminando perto das 11:30 no Largo de São Francisco, na baixa da cidade algarvia.

António Pinto, delegado da ANTRAL em Faro, disse à Lusa que o protesto de hoje foi "bastante positivo" e que "não esperava tanta adesão" para defender os interesses dos taxistas a nível nacional, mas também no Algarve, região onde disse haver "muitas Uber".

"No Algarve, infelizmente temos bastantes Uber, embora não tenham esse nome", afirmou, numa referência às empresas que fazem transferes entre hotéis, campos de golfe e o próprio aeroporto, sem, alegadamente, terem licenciamento para o efeito.

Vital Campos, taxista que trabalha em Loulé, disse à Lusa que "qualquer pessoa que tem um carro particular pode fazer estes transportes" de passageiros e "está a prejudicar quem está legal na atividade".

"Um indivíduo compra uma carrinha e começa a laborar no dia seguinte, enquanto nós temos de tirar licenças", acrescentou, sublinhando que estas carrinhas de transferes fazem concorrência desleal e deixam os taxistas numa situação "cada vez mais complicada".

Apesar de a plataforma eletrónica estar a operar mais em Lisboa e no Porto e "não estar no Algarve", Carlos Pedro, taxista de Portimão, considerou que os profissionais devem, "de qualquer maneira, acautelar essa possibilidade" e posicionar-se "totalmente contra a entrada da Uber a nível nacional".

Carlos Pedro, que é presidente da Rádio Táxis Arade, em Portimão, também considerou que, apesar de a Uber não estar na região, "a proliferação de carrinhas de transportes de passageiros que operam ilegalmente" estão a pôr em causa a "sobrevivência" dos taxistas algarvios.

"Há muitas empresas que fazem transportes ilegais, continuam a fazê-los para tal não estando habilitados, o que provoca sérios riscos e entraves à nossa sobrevivência", afirmou este taxista de Portimão.

Carlos Pedro disse ainda que os profissionais habilitados "estão em situação difícil", porque têm "preços tabelados" pelo Ministério da Economia e não podem ajustá-los para fazer face à concorrência desleal das outras carrinhas de transportes.

Idalécio Guerreiro, taxista de Vilamoura, no concelho de Loulé, frisou que esses concorrentes também não têm a obrigação de fazer inspeções regulares ao veículo como acontece com os táxis, situação que, advertiu, pode até "comprometer a segurança dos passageiros".

"Nós nos táxis, a partir de sete anos [do veículo], temos que passar a inspeção de seis em seis meses. Se comprar um carro novo, no ano seguinte tenho que fazer logo a inspeção, enquanto esses carros particulares, se forem novos, só têm inspeção ao quarto ano e após sete anos só fazem de ano a ano", criticou.

Lusa

  • Mais de mil taxistas em protesto
    4:05

    País

    Mais de mil taxistas saíram esta manhã em protesto em Lisboa, Porto e Faro, numa marcha lenta contra a Uber, um sistema que permite chamar um carro particular através de um telemóvel. Os profissionais queixam-se de que a lei não está a ser cumprida e acusam ainda esta plataforma de concorrência desleal. Apesar dos apelos à calma, em Lisboa viveram-se alguns momentos de tensão.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.