sicnot

Perfil

País

Luz verde para relocalização de 40 mil refugiados na Europa

O Parlamento Europeu (PE) aprovou hoje o primeiro mecanismo de relocalização de emergência de 40.000 requerentes de asilo da Itália e da Grécia para outros Estados-membros da UE, que será aplicável durante dois anos. Destes 40.000, Portugal deverá receber 1.701 pessoas.

© Laszlo Balogh / Reuters

O PE sublinha, no entanto, que poderá ser necessário aumentar o número de lugares de relocalização no decurso da aplicação das medidas de emergência (dois anos), "com vista a adaptá-lo aos fluxos e à situação dos refugiados".

Os eurodeputados querem também um mecanismo vinculativo e permanente para a repartição dos requerentes de asilo na UE, defendendo que será necessário um aumento do número de lugares de relocalização, com vista a adaptá-lo aos fluxos e à situação dos refugiados.

A resolução legislativa foi aprovada por 498 votos a favor, 158 contra e 37 abstenções.

Destes 40.000, Portugal deverá receber 1.701 pessoas, atualmente na Itália e na Grécia, num regime de relocalização.

Mais de 3 mil refugiados para Portugal

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou que vai apresentar novas medidas de emergência para a relocalização de mais 120.000 requerentes de asilo da Itália, da Grécia e da Hungria e uma proposta para um mecanismo permanente, que permitiria ativar automaticamente a relocalização para fazer face a futuras situações de crise.

Portugal deverá receber, nesta segunda proposta, 3.074 refugiados.

Os eurodeputados defendem que, antes de serem transferidos para outros países, os requerentes de asilo devem ter a possibilidade de "classificar os Estados-membros por ordem de preferência", baseando as suas escolhas em elementos como laços familiares, sociais e culturais, por exemplo, competências linguísticas, estudos ou uma experiência de trabalho anterior nesse país.

"Apesar de os requerentes de asilo não terem o direito de escolher o Estado-membro de relocalização, as suas necessidades, preferências e qualificações específicas devem, na medida do possível, ser tidas em conta", de modo a facilitar a sua integração no país de relocalização e a evitar movimentos secundários (do país de acolhimento para outros Estados-membros), afirmam os deputados.

O PE quer também que seja prestada particular atenção aos menores não acompanhados.

Juncker afirmou hoje que as regras para a recolocação de refugiados não estarão prontas nos próximos dias, ressalvando que o mais importante é os governos nacionais concordarem no geral com as propostas.

Em conferência de imprensa após o seu discurso sobre o estado da União, a que se seguiu um debate com os eurodeputados, Juncker admitiu que os "textos legislativos não devem estar prontos para o conselho (de ministros do Interior da União Europeia)", agendado para o próximo dia 14.

Nessa reunião, o responsável espera que os Estados-membros "pelo menos concordem nos pontos principais".

Com Lusa

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.