sicnot

Perfil

País

Norte do país sob aviso vermelho

Os distritos de Porto, Braga, Viana do Castelo e Vila Real estão hoje sob aviso vermelho, o mais grave de uma escala de quatro, devido à previsão de chuva forte, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

(EPA/ Arquivo)

(EPA/ Arquivo)

EPA

O aviso vermelho vigora entre as 12:00 e as 23:59 de hoje devido à previsão de chuva forte e persistente e à possibilidade de ocorrência de fenómenos extremos de vento.

O IPMA colocou também em aviso laranja os distritos de Bragança, Viseu, Castelo Branco, Coimbra, Aveiro e Guarda devido à possibilidade de chuva e vento com rajadas da ordem dos 120 quilómetros por hora nas terras altas entre as 18:00 de hoje e as 06:00 de quarta-feira.

O distrito de Leiria está sob aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, devido à previsão de chuva, vento forte com rajadas da ordem dos 70 quilómetros por hora, podendo atingir os 90 quilómetros por hora nas terras altas e agitação marítima, prevendo-se ondas com 4 a 5 metros.

O aviso para Leiria vai estar em vigor entre 09:00 de hoje e as 18:00 de quarta-feira.

Também os distritos de Lisboa e Setúbal estão com aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima forte, com ondas de sudoeste com 4 a 5 metros entre as 03:00 e as 18:00 de quarta-feira.

De acordo com um comunicado do IPMA, o agravamento das condições para os próximos dias, especialmente para terça-feira, deve-se à passagem de uma depressão com origem no ex-ciclone tropical 'Henri', centrada hoje a norte dos Açores.

A depressão irá aproximar-se da Corunha, em Espanha, na próxima madrugada, em direção do Golfo da Biscaia.

Os efeitos da depressão irão prolongar-se até ao fim de quarta-feira e traduzem-se por precipitação forte e vento intenso nas regiões a norte do Mondego, diz-se no comunicado do IPMA.

As regiões do Minho, Douro e Beira Litoral, na tarde e na noite de hoje, vão ser as mais atingidas, com precipitação que pode ultrapassar os 100 mililitros em 24 horas.

O vento forte chegará ao litoral logo na manhã de terça-feira e deve prolongar-se até ao fim da manhã de quarta-feira. A região sul será menos afetada mas no norte as rajadas serão na ordem dos 90 quilómetros a norte do rio Mondego, com rajadas superiores a 110 quilómetros nas terras altas.

O aviso vermelho é o mais grave de uma escala de quatro e é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação meteorológica de risco extremo. O aviso laranja é o segundo mais grave numa escala de quatro e implica uma situação meteorológica de risco moderado a elevado.

Já o aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades que dependem do estado do tempo.

Com base nestas previsões a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou na segunda-feira para "um agravamento excecional" das condições meteorológicas no norte e centro nos próximos três dias e chamou a atenção para efeitos como formação de lençóis de água nas estradas, cheias rápidas em meio urbano, inundações, danos em estruturas montadas ou suspensas e "galgamento costeiro".

A ANPC recomendou também a desobstrução de sistemas de escoamento de águas, cuidados na condução, nomeadamente evitando zonas inundadas e arborizadas e a orla costeira, e a fixação de estruturas soltas, como andaimes.

Com Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20