sicnot

Perfil

País

Portugal é o país da OCDE com mais alunos com acesso a computadores

Portugal é o país da OCDE onde mais alunos têm acesso a computadores nas escolas, segundo um relatório hoje divulgado, que aponta casos de estudantes portugueses que passam mais de seis horas por dia na internet.

reuters

Em Portugal, 98% dos alunos têm acesso a um computador ou outro equipamento semelhante na escola, segundo o relatório da OCDE - "Students, Computers and Leraning: Mling The Connection" - que analisa o uso e acesso às tecnologias de informação e os resultados escolares obtidos por milhares de alunos de 31 países.

Com um computador para cada 3,7 alunos, os jovens portugueses passam em média 25 minutos por dia na internet, revela o estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Portugal surge assim em primeiro lugar neste ranking que compara a existência de computadores nas escolas mas, nem por isso, os alunos se destacam nos testes quando comparados com outros países com menos oferta.

Nas provas realizadas pela OCDE a matemática, os resultados foram acima do expectável, mas na leitura digital, os portugueses tiveram piores notas do que seria de esperar, segundo uma análise ao Programme for International Student Assessment ( PISA 2012), que avaliou alunos de todo o mundo.

Ao comparar os resultados nos testes de leitura, matemática e ciências e o acesso e utilização das tecnologias de informação, o relatório conclui que as escolas e professores ainda não estão a rentabilizar suficientemente estas tecnologias.

Em 2012, 96% dos alunos da OCDE tinham um computador em casa, mas apenas 74% diziam usar os da escola.

Em Portugal, 97% tinham pelo menos um equipamento em casa e mais de metade usava-o para fazer trabalhos para a escola mas também para lazer.

O acesso à internet fora da escola é uma realidade para a grande maioria dos alunos portugueses (mais de 90%) e um em cada três (35%) acaba por passar mais de quatro horas diárias na internet durante o fim de semana.

Os rapazes conseguem estar em media ainda mais 40 minutos por dia do que as raparigas, um número que faz com que Portugal surja em destaque nesta diferença de sexos.

No entanto, durante a semana, os portugueses estão menos tempo ao computador quando estão em casa: são 99 minutos diários contra a média da OCDE de 104 minutos.

Ao fim de semana, os jovens portugueses navegam durante quase duas horas e meia (149 minutos).

Este tempos parecem excessivos, mas existem casos ainda mais graves: 6,1% dos jovens de 15 anos passam mais de seis horas por dia, durante a semana, em frente a um ecrã (OCDE = 7,2%).

Metade dos estudantes portugueses inquiridos admitiu que já tinham chegado atrasados à escola por causa dos computadores.

O relatório aponta Portugal como um dos países onde as escolas com alunos mais desfavorecidos acabam por ter mais equipamentos em relação a outros estabelecimentos de ensino

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.