sicnot

Perfil

País

Mau tempo causou incidentes sem danos significativos no Porto

A chuva e o vento forte provocaram no início da madrugada de hoje quedas de 23 árvores, algumas de grande porte, inundações e quedas de pequenas estruturas edificadas, adiantou fonte do CDOS do Porto.

ESTELA SILVA/ LUSA

De acordo com a fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS), estas ocorrências verificaram-se por todo o distrito do Porto e não provocaram feridos, apenas danos materiais em duas viaturas estacionadas.

Além das árvores, os bombeiros foram também chamados para ajudar em oito inundações e para retirar duas estruturas de edifícios.

No total, estiveram envolvidos nas operações 137 homens, auxiliados por 37 viaturas.

A fonte do CDOS disse ainda, hoje de manhã, que a situação acalmou cerca das 03:00.
"Até ao início da madrugada ainda tivemos chamadas a pedir auxílio, mas nada de relevante, tudo incidentes sem danos. A partir do meio da madrugada acalmou", adiantou a mesma fonte.

Também a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), contatada pela Lusa, avançou também que, apesar das ocorrências durante o final do dia e madrugada, nenhuma destas foi significativa.

Com Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18