sicnot

Perfil

País

Greve vai afetar ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa no início da semana

A Soflusa anunciou hoje que as ligações fluviais entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa, vão ser afetadas na segunda, na terça e na quarta-feira devido a uma greve parcial dos trabalhadores.

A paralisação, de três horas por turno, vai afetar, em especial, as horas de ponta no período da manhã e da tarde.

A empresa refere que vão ser feitas duas carreiras no sentido Barreiro/Lisboa pelas 05:15 e 06:15, devido aos serviços mínimos decretados pelo tribunal arbitral, com as ligações a estarem paradas até às 10:30. No período da tarde, as ligações vão parar pelas 17:35 e apenas vão ser retomadas pelas 21:45.

No sentido Lisboa/Barreiro também se vão realizar duas carreiras decretadas pelos serviços mínimos, às 05:45 e 06:40. As ligações serão depois retomadas pelas 10:55. No período da tarde, os barcos vão parar entre as 18:00 e as 22:15.

"Durante os períodos de greve, os terminais estarão encerrados, por motivos de segurança. O conselho de administração reitera o seu empenho na prossecução das medidas necessárias que garantam a sustentabilidade e a qualidade do serviço de transporte que o Grupo Transtejo disponibiliza diariamente aos seus clientes", refere a empresa Transportes de Lisboa em comunicado.

Os trabalhadores da empresa, que já cumpriram esta semana dois dias de greve parcial, exigem uma revisão da massa salarial.

A Soflusa, integrada na Transportes de Lisboa, juntamente com o Metro, Carris e Transtejo, tem cerca de 170 trabalhadores.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.