sicnot

Perfil

País

Ana Gomes pede explicações sobre procedimentos irregulares da justiça angolana

A eurodeputada Ana Gomes pediu esclarecimentos sobre o interrogatório feito em Portugal pela Procuradoria-Geral angolana a Adalberto Neto, proprietário da casa onde foram detidos os jovens acusados de golpe de Estado.

Ana Gomes, eurodeputada do PS.

Ana Gomes, eurodeputada do PS.

Lusa

De acordo com o ativista angolano Rafael Marques, o vice-procurador-geral da República de Angola, Luciano Chackra, e "o indivíduo responsável pela detenção dos 15 jovens" acusados de tentativa de golpe de Estado vieram a Portugal interrogar o advogado Adalberto Neto, proprietário da casa onde foram efetuadas as detenções no mês de junho.

"Vieram interrogar porque foi em casa do Adalberto Neto que se realizaram esses encontros e no fim dos dois interrogatórios, na Culturgest, (Lisboa) pediram a Adalberto Neto para assinar o auto de interrogatório mas explicando-lhe que não lhe podiam dar uma cópia porque era ilegal a justiça angolana fazer interrogatórios a um cidadão nacional em território português", disse hoje Rafael Marques durante um colóquio sobre direitos humanos em Angola organizado pela Amnistia Internacional, em Lisboa.

Na sequência da revelação, a eurodeputada socialista Ana Gomes anunciou que já pediu esclarecimentos ao Governo de Lisboa enviando cartas à ministra da Justiça, Administração Interna e à procuradora-geral da República portuguesa:

"A perguntar se Portugal sabe do que se passa e, sabendo agora -- se não sabia antes -- de que forma agiu? Exigiu pedidos de desculpas? Vai atuar contra estes agentes do Estado angolano que obviamente violaram a soberania portuguesa? Vou ficar à espera da resposta. A carta só seguiu ontem", afirmou Ana Gomes durante o debate sobre direitos humanos em Angola que decorreu em Lisboa.

Os 15 jovens angolanos foram detidos em Luanda, acusados de tentativa de Golpe de Estado, estando há três meses presos sem culpa formada.

Para Ana Gomes, autora da resolução sobre abusos aos direitos humanos em Angola aprovada na semana passada - por maioria - no Parlamento Europeu e que visitou Luanda em julho disse também que é preciso investigar com "urgência" o massacre do Monte Sumi, no Huambo, em cujas responsabilidades têm de ser apuradas.

"O governo (de Angola) admitiu que houve 13 mortos civis (membros da seita religiosa liderada por Kalupeteka) e nove das forças policiais. Tenho os relatórios que o próprio governo me deu. Há relatos da igreja católica que diz que o número de mortos é da ordem das dezenas ou das centenas. Eu não sei se o número de mortos são 13, são 130 ou 1.300", acrescentou Ana Gomes.

"É preciso investigar e apurar quem foram os autores e não se podem encolher os ombros e deixar morrer as pessoas que nem uns cães", afirmou.

Por outro lado, Ana Gomes disse que há uma "interação em matéria de corrupção" entre Portugal e Angola.

"Eu não sou contra os negócios. Sou contra os negócios sujos. Sejam em Angola ou em Portugal e é exatamente contra esquemas corruptos que são danosos para o povo angolano, tal como são danosos para o povo português que nós temos de exigir transparência pelos direitos humanos", disse referindo-se, nomeadamente, ao caso do Banco Espírito Santo.

A eurodeputada disse que não aceita o investimento que resulta "da roubalheira do povo angolano" e que uma boa parte do buraco do BES é o buraco do BESA (Banco Espírito Santo de Angola).

"Há aquele senhor, Álvaro Sobrinho que diz que o dinheiro nunca saiu de cá para lá. De qualquer maneira foi roubado, e se não foi roubado cá foi roubado ao povo angolano. É preciso prestar contas mas ninguém fala da transparência do caso do BESA e sobretudo quando existe legislação europeia sobre branqueamento de capitais", disse Ana Gomes.

A conversa aberta sobre direitos humanos em Angola contou ainda com a presença do escritor José Eduardo Agualusa, uma iniciativa organizada pela Amnistia Internacional e encheu o auditório da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Lusa

  • Eurodeputados portugueses defendem que Europa tem obrigação de acolher refugiados
    0:52

    Crise Migratória na Europa

    A questão do acolhimento de migrantes divide a União Europeia. Em Bruxelas, há quem reivindique nova discussão ao mais alto nível. Os eurodeputados portugueses concordam que os países europeus têm obrigação de acolher os refugiados. A socialista Ana Gomes diz aliás que têm interesse em receber gente nova. Já o social-democrata Carlos Coelho lembra que o problema está nos governos reféns de partidos extermistas.

  • Ana Gomes considera críticas à sua visita a Luanda sinal de fraqueza democrática
    1:22

    País

    A eurodeputada Ana Gomes vê com precoupação as acusações que o ministro do Interior de Angola fez esta quinta-feira, numa entrevista à Radio Nacional de Angola. O governante criticou a presença da eurodeputada em Luanda, numa altura de forte contestação à prisão de jovens ativistas. Em declarações à SIC, Ana Gomes diz que as declarações são sinal de um fraco sentido democrático e explica que está em Luanda a convite da Associação Justiça, Paz e Democracia de Angola.

  • Propostas do cenário macroeconómico do PS discutidas no Largo do Rato
    1:35

    País

    À chegada ao largo do Rato, os membros da comissão política do PS comentaram as propostas apresentadas na passada terça-feira.Pedro Silva Pereira e António Galamba consideram que, com esta base de programa, o PS assume que é alternativa de Governo. Já Ana Gomes disse que veio ouvir, sobretudo, a explicação das opções políticas socialistas.

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.