sicnot

Perfil

País

Casos de excesso de velocidade aumentaram 10% este ano

O número de veículos detetados a circular em excesso de velocidade aumentou 10 por cento este ano relativamente a 2014, revelou esta segunda-feira a GNR, que anunciou um aumento de ações de controlo de velocidade na terça-feira.

Os distritos com mais vítimas mortais este ano foram o Porto (46), Aveiro (42) e Lisboa (40), enquanto Bragança (três) e Viana do Castelo (sete) foram os que registaram menos mortos, entre 1 de janeiro e 31 de outubro. (Arquivo)

Os distritos com mais vítimas mortais este ano foram o Porto (46), Aveiro (42) e Lisboa (40), enquanto Bragança (três) e Viana do Castelo (sete) foram os que registaram menos mortos, entre 1 de janeiro e 31 de outubro. (Arquivo)

Lusa

Segundo os números da GNR, divulgados hoje em comunicado, desde o início do ano e até ao passado domingo, foram controlados mais de 6,5 milhões de veículos, dos quais 135.213 circulavam em velocidade superior ao permitido no local (um pouco mais de dois por cento do total).

No ano passado, em igual período, registaram-se 123.118 veículos em infração, o que equivale a um aumento de 10 por cento de excessos de velocidade este ano.

"Face a este aumento, e sendo o excesso velocidade uma das principais causas da sinistralidade rodoviária grave (com mortos e feridos graves) em Portugal, a par da condução sob a influência do álcool e da não utilização dos sistemas de retenção, a GNR tem intensificado as ações de controlo destas matérias, no sentido de reduzir o número de vítimas nas estradas", lê-se no comunicado.

A GNR alerta ainda que as ações de controlo de velocidade serão intensificadas durante o dia 22 em todo o país, especialmente "nas vias onde as infrações por excesso de velocidade são mais frequentes e dão origem a um risco acrescido de acidentes de viação, designadamente nas autoestradas e nas vias situadas no interior das localidades".

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida