sicnot

Perfil

País

Doação de cabelo à Liga Contra o Cancro permite doar 50 cabeleiras para doentes

A Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) vai disponibilizar "cerca de 50 cabeleiras a todos os doentes oncológicos que precisem", resultado de doações de cabelo e de "um investimento de 20.000 euros" para a criação das mesmas.

Reuters

Segundo o presidente da LPCC, Francisco Cavaleiro Ferreira, a iniciativa de doar cabelo foi "uma ação espontânea e individual de algumas pessoas", tendo assumido maior impacto depois de uma partilha na internet.

"Alguém divulgou de forma simples que estávamos a receber doações e, rapidamente, começámos a receber com bastante frequência pequenas mechas e tranças" de cabelo, informou o presidente da LPCC, em resposta à agência Lusa.

Neste momento, a instituição pretende "travar as doações e esta iniciativa", explicando que não precisa de mais cabelo natural, uma vez que as cerca de 50 cabeleiras "são suficientes para colmatar as necessidades dos doentes oncológicos" apoiados pela LPCC e o objetivo é que sejam reutilizadas ao longo do tempo.

Um pouco por todo o país, foram várias as pessoas que contribuíram para esta causa. A LPCC não tem contabilizado o número total de doações, "uma vez que se tratou de uma iniciativa espontânea, não foi contabilizada desde início", contudo o presidente Francisco Cavaleiro Ferreira considerou que "a generosidade dos portugueses para com a LPCC tem sido inexcedível".

A trabalhar na área das medicinas de cuidados complementares em Leiria, Ana Mendes, de 46 anos, quis "doar o cabelo no sentido de poder estar a ajudar alguém a sentir-se melhor", mas não se ficou apenas pela doação.

Em julho de 2014, criou a página de 'facebook' "Doar Cabelo" para poder "sensibilizar outras pessoas a fazer o mesmo", divulgando informação de onde e quais os requisitos para doar e partilhando testemunhos de pessoas que doaram.

Ana Mendes ficou surpreendida com a adesão que a página teve no início, contando que "numa semana mais de mil pessoas aderiram". Neste momento, a página tem mais de 3.300 seguidores.

"As pessoas sentem-se muito sensibilizadas para esta situação de falta de saúde, que infelizmente é uma realidade cada vez mais generalizada, porque elas já passaram ou alguém muito próximo já passou", disse à Lusa esta profissional da área da saúde, explicando que para os doentes oncológicos é muito importante a valorização da imagem e a questão da autoestima.

Apesar de Portugal já não estar recetivo a doações de cabelo, a página vai continuar a ajudar as pessoas interessadas em doar, apresentando alternativas internacionais como as instituições "Little Princess Trust", no Reino Unido, e "Locks of Love", nos Estados Unidos da América.

Através da página "Doar Cabelo", Vânia Raquel, de 30 anos, de Lagoa (Faro), descobriu que podia fazer doação de cabelo, recolheu toda a informação e decidiu fazê-lo.

"Tinha o cabelo muito grande, embora não fosse minha intenção cortá-lo, mas ao ver a página achei que podia ajudar e decidi cortar", contou a jovem, referindo que, em dezembro de 2014, enviou por correio para o IPO - Instituto Português de Oncologia de Lisboa "30 centímetros de cabelo em forma de trança".

Habituado a ter o cabelo comprido, Hugo Rangel, de 39 anos, de Matosinhos (Porto), decidiu "juntar o útil ao agradável e proporcionar algo de bom na sociedade", com um corte de cabelo de 30 centímetros, em abril deste ano.

"Certifiquei-me da medida mínima e cortei o mais justo possível num puxo preso com elástico e enviei via correio num envelope devidamente protegido em saco para o IPO de Lisboa", explicou à agência Lusa.

Neste momento, Hugo Rangel tem o cabelo grisalho e na opinião de familiares e amigos "foi sem dúvida uma excelente opção", que dizem que parece 10 anos mais novo.

De acordo com o presidente da LPCC, as doações de cabelo foram reencaminhadas para uma fábrica própria para produzir cabeleiras naturais.

"O valor de uma peruca de cabelo verdadeiro pode ir, sem ser através da LPCC, até 1.000 euros", explicou Francisco Cavaleiro Ferreira.

A instituição investiu 20.000 euros para a criação de cerca de 50 cabeleiras ao dispor de todos doentes oncológicos. Neste momento, a LPCC já tem cerca de 20 cabeleiras produzidas e disponíveis, as restantes ficarão prontos antes do final do ano, informou.

A LPCC garante o acesso gratuito a uma cabeleira para os doentes oncológicos que demonstrem não ter capacidade financeira para adquirir.

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC