sicnot

Perfil

País

ANTRAL promete manifestações na campanha caso governo não dê respostas

ANTRAL promete manifestações na campanha caso governo não dê respostas

Os taxistas estão a planear ações diárias de protesto contra a Uber, caso o Ministério da Justiça não obrigue a empresa a ter licenças para transportar passageiros. A Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) esteve ontem reunida com o ministro da Economia e prometeu manifestações durante a campanha eleitoral.

  • ANTRAL promete protestos de taxistas durante campanha eleitoral
    0:45

    País

    A ANTRAL esteve reunida esta segunda-feira com o ministro da Economia, na sequência da manifestação dos taxistas do início de setembro. O presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida, garante que os taxistas vão manifestar-se durante a campanha eleitoral, caso o Governo não dê resposta às preocupações da associação.

  • ANTRAL promete mais protestos até serem cumpridas decisões dos tribunais
    0:41

    País

    Por hoje terminou o protesto dos taxistas contra o transporte de passageiros pela empresa que utiliza a aplicação Uber. Durante toda a manhã e parte da tarde, centenas de táxis desfilaram pelas ruas de Lisboa, Porto e Faro. O presidente da ANTRAL diz que as manifestações só vão parar quando forem cumpridas as decisões dos tribunais. Caso contrário, a associação que defende os interesses dos taxistas ameaça levar os protestos para as eleições.

  • Mais de 150 táxis protestam contra Uber em Faro

    País

    Mais de centena e meia de taxistas participaram hoje, em Faro, no protesto que a Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) convocou contra o transporte de passageiros por veículos disponibilizados através da plataforma eletrónica Uber.

  • Comitiva portuguesa terminou visita à central de Almaraz

    País

    A visita técnica das delegações portuguesa e da Comissão Europeia à central nuclear de Almaraz, em Espanha, esta segunda-feira, já terminou. A visita começou por volta das 9h00, hora de Lisboa, e serviu para Portugal se inteirar sobre o funcionamento da central e sobre o projeto de construção de uma instalação para armazenamento de resíduos radioativos.