sicnot

Perfil

País

Escolas e autarquias desconhecem estudo sobre o radão em Bragança

Um estudo sobre a presença de radão, um gás radioativo natural, nas escolas de Bragança surpreendeu hoje diretores de agrupamentos e autarquias por nunca terem sido contactos e a presença de granito ser residual nos edifícios em funcionamento.

Arquivo

Arquivo

Reuters

O granito é o material que liberta este gás potencialmente cancerígeno e que os interlocutores ouvidos pela Lusa alegam já não ser utilizado na construção dos edifícios em funcionamento, a maior parte novos, construídos de raiz na reorganização da rede escolar.

Motivo de estranheza é também o facto de nunca terem sido contactos ou lhe ter sido endereçado um pedido de autorização para se fazerem as medições do ar necessárias à realização de um estudo da natureza como aquele que foi hoje noticiado e realizado pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

Sofia Sousa, professora e investigadora na FEUP, doutorada em engenharia do Ambiente, adiantou à Lusa que 84% das salas avaliadas neste estudo registaram níveis de partículas finas (poeiras) acima da legislação recomendada pela Organização Mundial da Saúde.

As concentrações de radão (gás radioativo natural, poluente cancerígeno) encontradas estiveram também muitas vezes acima dos limiares legislados, especialmente no distrito de Bragança, revela o estudo, embora não se possa deduzir que as concentrações do radão vão provocar cancro, observou a investigadora.

Os dados recolhidos são "preocupantes, mas não alarmantes", considera a investigadora, explicando que uma medida simples e económica, como o arejamento do ar, pode diminuir consideravelmente os níveis de concentração destes poluentes e contribuir para que diminua a probabilidade de as crianças contraírem asma.

"Não tenho conhecimento do estudo, nem tive conhecimento de que o estudo se estava a realizar", afirmou à Lusa Teresa Sá Pires, diretora do Agrupamento de Escolas Abade de Baçal de Bragança.

A Lusa contactou os três maiores agrupamentos da região que concentram escolas desde o pré-escolar ao secundário.

Os alunos foram concentrados e acolhidos, a maior parte em edifícios novos, nomeadamente os do pré-escolar e primeiro ciclo.

No distrito de Bragança há concelhos onde já não funciona nenhuma das antigas escolas primárias construídas há décadas com recurso a materiais como o granito e que foram substituídas na concentração de alunos por edifícios com materiais recentes.

"As nossas construções são atuais e nenhum edifício foi feito com (esse) material clássico de antigamente", declarou à Lusa José Carrapatoso, diretor do Agrupamento de Escolas Miguel Torga de Bragança.

Este responsável garantiu também que não teve "qualquer contacto" para a realização do estudo.

Quem não tem também "conhecimento do estudo" ou de qualquer contacto é o diretor do Agrupamento de Escolas Emídio Garcia, Eduardo Santos.

"Nem sei se pediram à Câmara para fazer isso (porque) tinham de entrar dentro das salas de aulas", observou.

A Lusa contactou também a Câmara de Bragança e o gabinete de Comunicação informou que o presidente Hernâni Dias "teve conhecimento hoje do estudo pela Comunicação Social".

Nenhuma recomendação chegou ao presidente ou às chefias, assegurou a fonte indicando que o autarca já pediu mais informação para se inteirar da situação.

Quem não tem também conhecimento de que os municípios tenham sido contactos é o presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes, Américo Pereira.

"É a primeira vez que oiço falar de um estudo desses. Parece-me até uma brincadeira. É mais um estudo igual a tantos outros que aparece para lançar notícias que tornam ainda mais deprimido o Interior", declarou à Lusa.

O presidente da CIM afirmou não ter "qualquer preocupação" com os alegados resultados do estudo, realçando que a região de Trás-os-Montes não é sequer das que em Portugal tem uma concentração de granito.

  • Níveis elevados de CO2 em creches e escolas do Porto e Bragança aumentam asma infantil

    País

    Mais de 50% das salas de creches, jardins-de-infância e escolas primárias do Porto e Bragança têm níveis de concentração de dióxido de carbono acima dos limiares legislados, aumentando a probabilidade dos bebés e crianças contraírem asma. A conclusão faz parte de uma investigação dirigida pela Universidade do Porto. O estudo identificou ainda concentrações de radão, um gás radioativo natural e cancerígeno. A Fenprof já reagiu e defende um "plano de diagnóstico".

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.