sicnot

Perfil

País

"Doença dos pezinhos" aumenta no sul, campanha quer informar sobre teste precoce

O Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA) está preocupado com o aumento de casos de paramiloidose ("doença dos pezinhos") no sul e vai lançar uma campanha informativa sobre um diagnóstico que permite aos filhos dos doentes nascerem saudáveis.

© Jorge Lopez / Reuters


"A doença está a diminuir no norte do país [onde inicialmente foi identificada], mas a agravar-se no sul", disse à agência Lusa o presidente do CNPMA, Eurico Reis.

A Polineuropatia Amiloidótica Familiar (PAF), conhecida como a "doença dos pezinhos", foi descrita pela primeira vez na Póvoa do Varzim, pelo neurologista Corino de Andrade.

Segundo Eurico Reis, apesar da possibilidade do transplante hepático e de alguma medicação, existe um método que permite evitar o nascimento de uma criança com a doença, já que esta é uma patologia hereditária.

Trata-se do Diagnóstico Genético Pré-Implantação (DGPI), uma técnica de Procriação Medicamente Assistida (PMA) que consiste na análise às células do embrião, nos primeiros dias do seu desenvolvimento.

O objetivo é que só os embriões saudáveis sejam transferidos para o útero.

"Quando se trata de doenças graves e incapacitantes, como esta é, não queremos que as crianças nasçam doentes quando é possível impedi-lo", disse o juiz desembargador, referindo-se ao DGPI.

Eurico Reis apercebeu-se de que não é devidamente conhecida a posição do CNPMA sobre esta possibilidade, pelo que foi decidido fazer uma campanha de informação, a qual se irá realizar em parceria com o Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST).

"No interior do IPST não havia a ideia que o CNPMA -- não é que sejamos permissivos -- tem uma perspetiva alargada em relação a esta matéria", disse.

Em relação aos pais que não queiram fazer o diagnóstico, preferindo arriscar ter filhos doentes, o juiz disse que tal "está dentro da sua margem de liberdade, por muito que isso depois custe em matéria de gastos no Serviço Nacional de Saúde".

"Agora, os pais que não querem que os seus filhos sejam doentes podem e devem socorrer-se destas técnicas", adiantou.

"O facto de nascerem crianças doentes, quando podiam não nascer e quando os pais não querem sujeitar os seus filhos a essa doença, é uma coisa que me horroriza", acrescentou.

Em declarações à Lusa, o presidente da Associação Portuguesa de Paramiloidose (APP), Carlos Figueiras, disse que este tratamento já é utilizado por casais com um dos elementos doente "há muitos anos".

"Já temos muitos meninos que nasceram por Fertilização In Vitro (FIV) pré implantatória e que não são portadores da doença", afirmou.

Para Carlos Figueira, que se congratula com a campanha de sensibilização do CNPMA, "a maioria esmagadora das pessoas querem ter filhos sadios e, para isso, não têm problemas de recorrer a este método".

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15