sicnot

Perfil

País

Soro pode faltar nos hospitais por dívidas aos fabricantes

O funcionamento dos hospitais está em risco, com a iminência de deixar de receber soro, produto fundamental para suporte de vida dos doentes, uma vez que as empresas ameaçam cortar o fornecimento por falta de dinheiro.

"Além da lei da rolha há uma espiral de medo. O interno tem medo do  especialista, o especialista tem medo do diretor de serviço e o diretor  de serviço tem medo do conselho de administração. É uma espiral de medo  que vamos tentar combater", afirmou hoje numa conferência de imprensa em  Lisboa o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos.  (SIC)

"Além da lei da rolha há uma espiral de medo. O interno tem medo do  especialista, o especialista tem medo do diretor de serviço e o diretor  de serviço tem medo do conselho de administração. É uma espiral de medo  que vamos tentar combater", afirmou hoje numa conferência de imprensa em  Lisboa o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos.  (SIC)

A denúncia é feita pela APORMED, Associação Portuguesa das Empresas de Dispositivos Médicos, que alerta para a taxa de 14,3 por cento, definida no Orçamento do Estado de 2015, imposta às empresas de venda de dispositivos médicos na área das Soluções Medicamentosas (Soros), uma taxa "incomportável" para um produto que já tem custos de fabrico elevados mas um preço de venda baixo (um litro custa entre 80 e 90 cêntimos).

"As soluções medicamentosas foram indevidamente colocadas no mesmo lote dos medicamentos inovadores, sobre os quais incide a taxa máxima. As empresas estão a pagar 14,3%, quando estes produtos por questão de baixa margem deviam estar equiparados a outros produtos como gases medicinais e derivados de sangue e plasma, que têm a taxa mínima (2,5%)", disse à Lusa João Gonçalves, Secretário-Geral da APORMED.

O responsável sublinha mesmo que os soros pertencem à mesma classificação atribuída pela Organização Mundial de Saúde aos derivados de plasma e de sangue e que tem "muitas parecenças" com os gases medicinais, ao contrário dos medicamentos inovadores que pertencem a "grupos totalmente diferentes".

Os soros são medicamentos para suporte vital e terapias cíticas, só usados em meio hospitalar: servem para manter o doente hidratado, para que o sistema cardio-circulatório funcione e para alimentar os doentes que chegam ao hospital sem a devida nutrição, explicou.

"Em qualquer emergência hospitalar, a primeira medida é colocar o soro, que no fundo é uma água esterilizada com diferentes solutos", acrescentou.

Segundo João Gonçalves, esta situação tem vindo a ser alertada junto das entidades competentes, nomeadamente a tutela, mas ainda não foi possível assinar um protocolo ou um acordo que permita que estes produtos sejam sujeitos à taxa mínima, como acontece com os outros.

O que acontece é que as empresas estão com dificuldade em suportar esta taxa, uma vez que este produto já tinha sofrido, nos últimos anos, uma "erosão de mais de 20% no preço".

Só que os "hospitais não podem passar sem estes produtos", mas o seu regular fornecimento está em risco de ser afetado, por incapacidade das empresas.

As consequências mais imediatas são o desinvestimento das empresas nesta área, ou, no caso das que se dedicam em exclusivo a estes produtos, a sua saída de Portugal.

Lusa

  • Militar ferido com gravidade em acidente com Pandur
    1:19

    País

    O acidente em Vila Real que envolveu uma viatura militar fez três feridos. Uma das vítimas ficou em estado grave e teve de ser transportada de helicóptero para o Hospital Santo António do Porto. O militar ficou encarcerado no veículo blindado, o que dificultou os trabalhos de socorro.

  • Bebé nasce na Ucrânia com ADN de três pais

    Mundo

    Nasceu a 5 de janeiro, na Ucrânia, uma menina filha de um casal infértil graças à ajuda de uma nova técnica de fertilização in vitro, que conta com a colaboração de uma terceira pessoa. De acordo com o britânico The Times, os médicos utilizaram pela primeira vez um método denominado transferência pronuclear. Esta não é, contudo, a primeira vez que nasce um bebé com ADN de três progenitores.

  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".