sicnot

Perfil

País

GNR e PSP vão certificar treinadores de cães perigosos

A GNR e a PSP são as entidades competentes para certificar treinadores de cães perigosos e potencialmente perigosos, segundo uma portaria agora publicada, dois anos após o diploma que exige um treino específico para esses animais.

Reuters

Além de certificarem quem estará apto a treinar estes cães, a GNR e a PSP "devem igualmente ministrar a formação exigida aos detentores de cães perigosos e potencialmente perigosos", lê-se na portaria, que entrará em vigor dentro de trinta dias.

Isto porque apenas as pessoas com formação específica podem ter cães perigosos (com histórico de violência) ou potencialmente perigosos (devido às suas características físicas), segundo um diploma publicado há cerca de dois anos que carecia de uma portaria que definisse quem iria certificar essa formação.

A partir de hoje fica então definido quais as entidades formadoras, que requisitos devem obedecer essas entidades, qual o conteúdo da formação e respetivos métodos de avaliação.

O diploma recorda que "a perigosidade associada aos cães perigosos e potencialmente perigosos está relacionada com características físicas e/ou comportamentais destes animais e com o tipo de treino que é realizado com os mesmos, devendo o mesmo representar um nível de exigência mais vocacionado para a prevenção de situações indesejáveis que possam colocar em causa a segurança das pessoas e de outros animais".

Os donos dos animais terão assim que fazer formação, cujo conteúdo estará relacionado com "educação cívica, comportamento animal e prevenção de acidentes", lê-se na portaria.

Dados da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), divulgados à agência Lusa em agosto, indicavam que estavam registados 19.382 cães de raça potencialmente perigosos e 1.606 cães perigosos.

"Estão em condição ativa 15.065 na categoria de cão potencialmente perigoso e 1.405 na categoria de cão perigoso", adiantavam os mesmos dados.

Relativamente aos processos instaurados por infrações à lei, encontram-se registados 1.658, "dos quais alguns já foram objeto de decisão sancionatória com coima ou com mera admoesta e outros por arquivamento em virtude de inexistirem os elementos necessários para a prolação da decisão condenatória".

Relativamente às penas de prisão aplicadas, uma vez que a lei prevê a punição com "uma pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 360 dias", de quem, "por negligência, circular na via pública, em lugares públicos ou em partes comuns de prédios urbanos, com animal perigoso ou potencialmente perigoso, registando uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 1,2 g/l", a DGAV diz não dispor desta informação

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41