sicnot

Perfil

País

Centenas de militares da GNR a caminho de S. Bento em protesto

Centenas de militares da GNR iniciaram poucos antes das 19:00 uma marcha em direção à residência oficial do primeiro-ministro, em protesto pela não aprovação pelo Governo do estatuto da classe.

MANUEL DE ALMEIDA

A manifestação foi marcada pela Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) e começou com uma concentração no Largo Camões, em Lisboa, após o que os manifestantes se começaram a dirigir para a residência oficial do primeiro-ministro, em S. Bento.

No local, os militares irão aprovar uma moção contra os processos disciplinares recentemente levantados contra dirigentes associativos da APG/GNR.

Com uma faixa a negro que diz "basta de mentiras, por uma guarda autónoma e humanizada, novo estatuto já", os militares empunham bandeiras da APG e gritam palavras de ordem como "horários sim, escravatura não", "os processos disciplinares são uma aberração", "os direitos são a nossa razão" ou "a luta continua, a GNR está na rua".

Em declarações à Lusa, o presidente da APG/GNR, César Nogueira, disse que o protesto pretende demonstrar o descontentamento pela não aprovação do estatuto da GNR, prometido pelo Governo desde o início da legislatura.

O responsável disse também que muitos militares não aderiram ao protesto porque hoje mesmo saiu em Diário da República o diploma que veio clarificar a situação dos militares na reserva e na reforma, resolvendo a questão de cortes de cerca de 300 euros desde janeiro.

O protesto de hoje, afirmou, é também um alerta para o próximo executivo. "Não aceitamos ser enganados. O dia de hoje é para demonstrar esse descontentamento e deixar um alerta para o próximo Governo, seja ele qual for, que vamos continuar a protestar e que queremos um estatuto digno para a GNR", disse César Nogueira à agência Lusa.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59