sicnot

Perfil

País

Centenas de militares da GNR a caminho de S. Bento em protesto

Centenas de militares da GNR iniciaram poucos antes das 19:00 uma marcha em direção à residência oficial do primeiro-ministro, em protesto pela não aprovação pelo Governo do estatuto da classe.

MANUEL DE ALMEIDA

A manifestação foi marcada pela Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) e começou com uma concentração no Largo Camões, em Lisboa, após o que os manifestantes se começaram a dirigir para a residência oficial do primeiro-ministro, em S. Bento.

No local, os militares irão aprovar uma moção contra os processos disciplinares recentemente levantados contra dirigentes associativos da APG/GNR.

Com uma faixa a negro que diz "basta de mentiras, por uma guarda autónoma e humanizada, novo estatuto já", os militares empunham bandeiras da APG e gritam palavras de ordem como "horários sim, escravatura não", "os processos disciplinares são uma aberração", "os direitos são a nossa razão" ou "a luta continua, a GNR está na rua".

Em declarações à Lusa, o presidente da APG/GNR, César Nogueira, disse que o protesto pretende demonstrar o descontentamento pela não aprovação do estatuto da GNR, prometido pelo Governo desde o início da legislatura.

O responsável disse também que muitos militares não aderiram ao protesto porque hoje mesmo saiu em Diário da República o diploma que veio clarificar a situação dos militares na reserva e na reforma, resolvendo a questão de cortes de cerca de 300 euros desde janeiro.

O protesto de hoje, afirmou, é também um alerta para o próximo executivo. "Não aceitamos ser enganados. O dia de hoje é para demonstrar esse descontentamento e deixar um alerta para o próximo Governo, seja ele qual for, que vamos continuar a protestar e que queremos um estatuto digno para a GNR", disse César Nogueira à agência Lusa.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.