sicnot

Perfil

País

Continente condenado a pagar 386 mil euros a trabalhadores e à Segurança Social

A empresa Modelo-Continente foi condenada a pagar 386 mil euros à segurança social e aos trabalhadores da Unidade de Distribuição de Carnes em Santarém, divulgou esta sexta-feira a União dos Sindicatos.

A condenação da empresa foi proferida a 29 de setembro e decorreu de um pedido de intervenção por parte do SINTAB - Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal. (Arquivo)

A condenação da empresa foi proferida a 29 de setembro e decorreu de um pedido de intervenção por parte do SINTAB - Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal. (Arquivo)

DR

De acordo com a União dos Sindicatos de Santarém (USS), a condenação pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) obriga a empresa Modelo-Continente Unidade de Distribuição de Carnes em Santarém a pagar aos trabalhadores dessa fábrica "mais de 226 mil euros por não estar a cumprir com o pagamento de diuturnidades previstas pelo Contrato Coletivo aplicável ao setor".

A somar a este valor, a empresa terá ainda de pagar "perto de 45 mil euros de coima por não cumprir com as suas obrigações para com os trabalhadores e 115 mil euros à Segurança Social referentes às comparticipações devidas e resultantes do pagamento de diuturnidades agora apuradas como estando em falta", refere um comunicado da USS.

A condenação da empresa foi proferida a 29 de setembro e decorreu de um pedido de intervenção por parte do SINTAB - Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal.

Contactada pela agência Lusa, a Modelo Continente confirmou que os seus responsáveis foram hoje "notificados ao fim do dia de uma decisão administrativa do ACT", que tencionam "impugnar."

Paralelamente a esta condenação, está a decorrer no Tribunal de Trabalho de Santarém um julgamento em que duas dirigentes sindicais do SINTAB reclamam o pagamento de diuturnidades em falta.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.