sicnot

Perfil

País

Comemorações do 5 de Outubro em Lisboa com Cavaco Silva ausente

A cerimónia solene do 105.º aniversário da implantação da República decorre, hoje de manhã, no salão nobre da Câmara de Lisboa, sem a presença do chefe de Estado, Cavaco Silva.

MIGUEL A. LOPES

Segundo a autarquia de Lisboa, a comemoração do 5 de Outubro decorrerá, entre as 11:15 e as 12:20, "nos moldes tradicionais no salão nobre do edifício dos Paços do Concelho", presidida por Assunção Esteves, presidente da Assembleia da República.

Cavaco Silva desvalorizou no domingo as críticas à sua ausência, afirmando que os Presidentes da República não vão às cerimónias do 5 de Outubro quando calha em tempo eleitoral, foi assim com os meus antecessores, é assim comigo", afirmou Aníbal Cavaco Silva, após ter votado numa escola em Lisboa.

Na quinta-feira, fonte oficial de Belém justificou à Lusa a ausência com a necessidade de Cavaco Silva "se concentrar na reflexão sobre as decisões que terá de tomar" nos dias seguintes, numa referência ao pós-eleições.

Desde que o dia da Implantação da República deixou de ser feriado, este será o primeiro ano que se irá comemorar num dia útil e será no dia seguinte às eleições legislativas.

As críticas à ausência de Cavaco Silva nas comemorações do 5 de Outubro fizeram-se ouvir da parte da Associação 25 de Abril e, entre outros, no PS, PCP e BE, e foram desvalorizadas nos partidos que integram a coligação PSD/CDS-PP.

  • 10 Minutos com Ana Catarina Mendes
    10:28

    10 Minutos

    A secretária geral adjunta do PS diz que não percebe porque é que o PSD levou tanto tempo a escolher o candidato à Câmara de Lisboa. Em entrevista no 10 Minutos da SIC Noticias, Ana Catarina Mendes considerou ainda que Pedro Passos Coelho não tem estado à altura de um líder da oposição. Quanto às legislativas, entende que o PS deve concorrer sozinho às eleições.

    Entrevista na íntegra

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.