sicnot

Perfil

País

Conselho Nacional do PSD aprova acordo de Governo com o CDS-PP

O Conselho Nacional do PSD, órgão máximo entre congressos, aprovou hoje por unanimidade o texto de acordo de Governo com o CDS-PP que vai ser formalizado na quarta-feira pelos dois partidos, disse à Lusa fonte social-democrata.

Lusa

No texto hoje aprovado, PSD e CDS-PP afirmam que vão "propor ao Presidente da República a constituição de um Governo de coligação entre os dois partidos, sob a liderança do presidente da Comissão Política Nacional do PSD, Dr. Pedro Passos Coelho", e prometem "empreender todos os esforços com vista a garantir a estabilidade e a continuidade desse Governo" e atuar com "permanente espírito de compromisso".

O "Acordo de Governo e de colaboração mútua" entre PSD e CDS-PP estabelece que os dois partidos vão constituir "grupos parlamentares autónomos" que se comprometem a "votar solidariamente" a eleição do presidente da Assembleia da República, propostas de referendo e atos parlamentares que requeiram maioria absoluta ou qualificada, incluindo projetos de revisão constitucional.

Lusa

  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21