sicnot

Perfil

País

Gripe matou mais de 5500 em Portugal no início do ano

Mais de 5500 pessoas morreram no início do ano em Portugal, vítimas da gripe sazonal. Os dados são divulgados no relatório do Programa Nacional de Vigilância da Gripe 2014/2015, citado pelo jornal i.

Reuters

Desde 1998/99 que as infeções respiratórias não faziam tantas vítimas, segundo o relatório que é hoje apresentado na 4ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe do Instituto Ricardo Jorge, em Lisboa.

Nos dois primeiros meses do ano, morreram 5591 pessoas com gripe. A maior parte não tinha sido vacinada, embora tivesse indicação para o fazer.

Períodos de frio acentuado, a não vacinação ou a circulação de uma estirpe diferente da utilizada na vacina são fatores que contribuem para os excesso de mortalidade, como explicou ao i Baltazar Nunes, investigador do Instituto Ricardo Jorge.

Uma maior adesão à vacina, defende, poderá evitar muitas dessas mortes.

A campanha nacional de vacinação contra a gripe arrancou a 1 de outubro. A vacina é recomendada a grupos de risco.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.