sicnot

Perfil

País

Três centenas em vigília na Figueira da Foz

Três centenas de pessoas participavam às 19:15 desta quarta-feira numa vigília na Figueira da Foz, para "alertar consciências para o fim das mortes no mar" e que foi marcada pelo Facebook após o naufrágio de terça-feira nesta zona.

Na vigília participam familiares das vítimas, além de pescadores, muitos anónimos e praticantes de desportos de mar.

Na vigília participam familiares das vítimas, além de pescadores, muitos anónimos e praticantes de desportos de mar.

PAULO NOVAIS / Lusa

O promotor da iniciativa, João Traveira, um praticante de bodyboard", disse querer assinalar com esta vigília -- marcada hoje de manhã - que a "Figueira da Foz não quer mais mortes no mar e que é preciso criar consciência para evitar estas situações".

Uma pessoa morreu e quatro estão desaparecidas na sequência de um naufrágio no mar da Figueira da Foz. Dois pescadores do arrastão Olívia Ribau foram resgatados com vida na terça-feira.

Na vigília participam familiares das vítimas, além de pescadores, muitos anónimos e praticantes de desportos de mar.

"Amadureci a ideia e penso que não devia haver uma lei que impeça que um conjunto de pessoas possa substituir as entidades oficiais, quando estas não conseguem dar respostas", disse João Traveira à agência Lusa, em alusão ao processo de busca e salvamento.

Esta vigília "dá energia para que se crie uma força cívica de voluntários de surfistas e 'bodyboarders' que com meios disponíveis possam impedir que morra mais gente na barra da Figueira da Foz".

"Estar no molhe e ver pessoas a morrer a 50 ou 100 metros é um filme de terror", vincou.

O organizador não esperava tanta gente na iniciativa: "Pensava que a Figueira da Foz não se iria unir nesta vigília, mas apercebi-me de que as pessoas estão sensíveis ao sofrimento alheio".

Às 19:20, várias pessoas presentes na vigília avançaram em direção ao edifício da Capitania e começaram a bater à porta com bastante força.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32