sicnot

Perfil

País

Curso de Medicina ficou com duas vagas por preencher

Ao fim de três fases de colocação no Ensino Superior sobraram este ano duas vagas em Medicina, o curso em que é mais difícil de entrar em Portugal, devido à elevada média de candidatura.

© Marcelo del Pozo / Reuters

De acordo com os dados divulgados hoje pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), uma vaga no curso de Medicina na Universidade Lisboa e outra na Universidade Nova de Lisboa, levadas a concurso na 3.ª fase, ficaram por preencher.

As vagas em questão são de recolocação, ou seja, lugares que ficaram disponíveis depois de os estudantes que as ocupavam se terem candidatado e conseguido, uma nova colocação na 3.ª fase, ou seja, por terem conseguido mudar de curso.

Em Medicina houve apenas um colocado na 3.ª fase, no curso da Universidade do Minho, com uma nota de entrada de 18,65 valores, a média mais alta da última fase do concurso nacional.

Gestão, na Faculdade de Economia da Universidade do Porto; Pintura, na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Engenharia Biomédica, no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, e o curso preparatório para o mestrado integrado em Medicina da Universidade dos Açores foram os únicos que registaram entradas na 3.ª fase com notas médias superiores a 18 valores.

Oito licenciaturas, em universidades e politécnicos, registaram notas de entrada entre os 9,5 e 9,9 valores, consideradas positivas por arredondamento.

Dos mais de mil cursos, 373 deixaram vagas por preencher. Entre esses 187 não tiveram qualquer candidato.

Dos 4.355 candidatos a um lugar na 3.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, 1.629 estudantes conseguiram uma colocação nas universidades e politécnicos públicos, que contam este ano com quase 45 mil novos alunos.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC