sicnot

Perfil

País

Marinha tenta concluir hoje operação para virar arrastão

A equipa que vai tentar virar o arrastão naufragado na terça-feira à entrada do Porto da Figueira da Foz está desde esta manhã no local, avançou o comandante Nuno Leitão, que espera que a operação fique concluída hoje.

PAULO NOVAIS


Em declarações à agência Lusa, o comandante do Instituto de Socorros a Náufragos (ISN), explicou que a empresa que vai tentar proceder à reflutuação do arrastão está desde esta manhã no local para começar os trabalhos de forma a garantir o desimpedimento da barra e, ao mesmo tempo, possibilitar que os mergulhadores forenses da polícia marítima e da armada possam aceder ao interior da embarcação.

"A empresa foi contratualizada pelo armador, já que é ele quem tem a responsabilidade de garantir o desimpedimento da barra. Em simultâneo, os mergulhadores vão tentar aceder ao interior da embarcação, que se encontra envolta em redes, e aceder em segurança para poder fazer uma vistoria e se existirem corpos lá dentro recuperá-los", avançou.

Este responsável explicou que as condições do estado do mar "melhoraram consideravelmente" hoje, ressalvando, no entanto, que a posição em que se encontra o arrastão "é complicada", sobretudo com a ondulação existente.

"Atendendo que não se trata de um ponto fixo de acesso, toda esta área das buscas que se está a tentar fazer com as artes de pescas envolvidas no arrastão tornam estas operações complicadas, pois a visibilidade é nula", sublinhou Nuno Leitão.

O comandante do Instituto de Socorros a Náufragos explicou ainda que as operações encerram em si algum risco, mas este é "calculado", de forma que seja possível entrar em segurança no interior da embarcação para vistoriar e recuperar os quatro corpos desaparecidos, caso sejam encontrados.

Quanto ao tempo de duração que uma operação deste tipo pode ter, Nuno Leitão referiu que as operações de salvamento marítimo "são sempre uma incógnita e demoradas", sublinhando que o objetivo é que a operação esteja concluída durante o dia de hoje.

"Não podemos dizer que vai demorar uma hora, duas, ou cinco horas. O nosso objetivo é tentar, até ao final do dia, conseguir aceder ao interior do arrastão em segurança", frisou.

O arrastão Olívia Ribau naufragou pouco depois das 19:00 de terça-feira à entrada do Porto da Figueira da Foz, provocando a morte de um pescador. Quatro pescadores estão ainda desaparecidos e dois foram resgatados com vida.

Na quarta-feira dezenas de pescadores e familiares das vítimas concentraram-se à porta da Capitania do Porto da Figueira da Foz exigindo explicações à Autoridade Marítima, recusando a versão das autoridades sobre a operação de socorro que se seguiu ao naufrágio e exigindo um pedido de desculpas e a colocação da bandeira nacional a meia haste em sinal de luto e respeito.

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.