sicnot

Perfil

País

Mais 100 trabalhadores portugueses abandonam hoje a base das Lajes

Cerca de 100 trabalhadores formam hoje o terceiro grupo de funcionários portugueses a abandonar as Lajes, na ilha Terceira, Açores, no âmbito da redução da presença norte-americana na base militar.

O parlamento açoriano pede a Lisboa um "plano de emergência" que minimize na economia da ilha Terceira os efeitos desta redução imediata de postos de trabalho, sugerindo "medidas que reforcem a proteção no desemprego, o aumento do investimento público na ilha Terceira" e "condições excecionais para incrementar o investimento privado". (Arquivo)

O parlamento açoriano pede a Lisboa um "plano de emergência" que minimize na economia da ilha Terceira os efeitos desta redução imediata de postos de trabalho, sugerindo "medidas que reforcem a proteção no desemprego, o aumento do investimento público na ilha Terceira" e "condições excecionais para incrementar o investimento privado". (Arquivo)

LIONEL CIRONNEAU / AP

Até março de 2016, vão abandonar a base, de forma faseada, entre 420 e 430 trabalhadores portugueses que aceitaram assinar uma rescisão por mútuo acordo, com direito a indemnização e, na maior parte dos casos, a reforma ou pensão extraordinária até à idade da reforma.

A 11 de agosto saiu um primeiro grupo de cerca de 40 trabalhadores, seguindo-se mais uma centena a 25 de setembro e hoje, pelas contas da Comissão Representativa dos Trabalhadores (CRT) portugueses da base, que não tem números oficiais, saem entre 90 e 100 funcionários.

Segundo a CRT, os que escolheram continuar a trabalhar ainda não sabem que postos vão ocupar e temem ser despedidos.

Segundo Luís Moniz, da comissão, de um modo geral as rescisões por mútuo acordo "estão a decorrer com calma e serenidade", mas os cerca de 370 trabalhadores que optaram por continuar a trabalhar nas Lajes ainda não foram informados sobre o processo de preenchimento das vagas deixadas livres.

Apesar de os Estados Unidos da América (EUA) se terem comprometido, na última reunião da Comissão Bilateral Permanente, a manter 405 postos de trabalho, os trabalhadores portugueses temem ser despedidos por falta de qualificações para ocupar as vagas que se mantêm.

Entretanto, na quarta-feira, o Senado norte-americano aprovou a Lei do Orçamento da Defesa dos Estados Unidos da América para 2016, que refere a necessidade de reavaliação das valências na base das Lajes, localizada no concelho da Praia da Vitória.

Em comunicado, o presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, considerou a referência "mais um passo na defesa do papel que esta base deve continuar a desempenhar no âmbito das relações entre Portugal e os EUA".

A versão aprovada no Senado inclui a exigência de que o secretário da Defesa elabore até 01 de março de 2016 um relatório sobre as valências do equipamento e entrará em vigor após a assinatura do Presidente norte-americano.

Vasco Cordeiro sublinhou que este é o "terceiro ano consecutivo em que o Congresso dos EUA se expressa, de forma clara, a favor de uma análise cuidada, por parte do Departamento de Defesa do Governo dos EUA, sobre as potencialidades que a base das Lajes oferece".

Lusa

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.