sicnot

Perfil

País

Mais de 200 dadores de orgãos este ano, maior número dos últimos 5 anos

Nos primeiros oito meses do ano registaram-se em Portugal 218 dadores de órgãos, o maior número dos últimos cinco anos, e 521 transplantes, revelou hoje a coordenadora nacional da transplantação, Ana França.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Keith Bedford / Reuters

Este aumento de dadores cadáveres (mais 14 do que no mesmo período do ano passado) é acompanhada por uma ligeira diminuição, de 24% para 22%, de casos em que a morte é traumática, o que significa que as causas são mais médicas (78%).

Segundo a responsável, resulta daqui que a grande maioria dos dadores morre envelhecido ou doente, ou ambas, comprometendo muitas vezes a saúde dos órgãos a doar.

Quanto aos 521 transplantes realizados, dizem respeito a órgãos provenientes de todo o tipo de dadores - em morte cerebral, sequencial e vivo -- sendo que 160 foram transplantes hepáticos e 34 cardíacos, o que traduz um crescimento destes transplantes para níveis superiores aos últimos quatro anos.

Os restantes transplantes realizados foram de rins (305), de pulmões (9) e de pâncreas (13).

Ana França revelou ainda que se registaram 20,9 dadores em morte cerebral, até agosto de 2015, por milhão de habitantes.

"Se conseguirmos manter esta atividade, conseguiremos atingir os 31,4 dadores por milhão de habitante", acrescentou.

A maior lista de espera para transplantação de órgãos de dador vivo diz respeito ao rim.

Até julho deste ano realizaram-se 37 transplantes de rim de dador vivo, um de fígado de dador vivo e oito de fígado de dador sequencial.

Segundo a coordenadora, no final do ano passado, havia uma lista de espera de 2.216 para órgãos, dos quais 81 morreram à espera.

Só para rim, a lista de espera ascendia aos 1.970, 43 dos quais acabaram por morrer.

Os objetivos do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) são diminuir as listas de espera e aumentar as oportunidades de transplante, designadamente de dadores vivos, em que "o país ainda está muito atrás".

Em Holanda, por exemplo, mais de 50% dos transplantes de rins são de dadores vivos.

Ana França disse mesmo que Portugal está a "estudar a possibilidade da doação cruzada com Espanha", já que a lei o permite, sendo contudo necessário criar normas em relação aos procedimentos e o consentimento informado.

"A doação renal cruzada é mais uma forma de tentar aumentar a doação em vida", sublinhou Hélder Trindade, presidente do IPST.

Ana França anunciou ainda que se vai iniciar em novembro a fase piloto do Registo Português de Transplantação e que serão desenvolvidos acordos com as sociedades científicas, Ordem dos Médicos e Direção-Geral da Saúde.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15