sicnot

Perfil

País

Mais de 200 dadores de orgãos este ano, maior número dos últimos 5 anos

Nos primeiros oito meses do ano registaram-se em Portugal 218 dadores de órgãos, o maior número dos últimos cinco anos, e 521 transplantes, revelou hoje a coordenadora nacional da transplantação, Ana França.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Keith Bedford / Reuters

Este aumento de dadores cadáveres (mais 14 do que no mesmo período do ano passado) é acompanhada por uma ligeira diminuição, de 24% para 22%, de casos em que a morte é traumática, o que significa que as causas são mais médicas (78%).

Segundo a responsável, resulta daqui que a grande maioria dos dadores morre envelhecido ou doente, ou ambas, comprometendo muitas vezes a saúde dos órgãos a doar.

Quanto aos 521 transplantes realizados, dizem respeito a órgãos provenientes de todo o tipo de dadores - em morte cerebral, sequencial e vivo -- sendo que 160 foram transplantes hepáticos e 34 cardíacos, o que traduz um crescimento destes transplantes para níveis superiores aos últimos quatro anos.

Os restantes transplantes realizados foram de rins (305), de pulmões (9) e de pâncreas (13).

Ana França revelou ainda que se registaram 20,9 dadores em morte cerebral, até agosto de 2015, por milhão de habitantes.

"Se conseguirmos manter esta atividade, conseguiremos atingir os 31,4 dadores por milhão de habitante", acrescentou.

A maior lista de espera para transplantação de órgãos de dador vivo diz respeito ao rim.

Até julho deste ano realizaram-se 37 transplantes de rim de dador vivo, um de fígado de dador vivo e oito de fígado de dador sequencial.

Segundo a coordenadora, no final do ano passado, havia uma lista de espera de 2.216 para órgãos, dos quais 81 morreram à espera.

Só para rim, a lista de espera ascendia aos 1.970, 43 dos quais acabaram por morrer.

Os objetivos do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) são diminuir as listas de espera e aumentar as oportunidades de transplante, designadamente de dadores vivos, em que "o país ainda está muito atrás".

Em Holanda, por exemplo, mais de 50% dos transplantes de rins são de dadores vivos.

Ana França disse mesmo que Portugal está a "estudar a possibilidade da doação cruzada com Espanha", já que a lei o permite, sendo contudo necessário criar normas em relação aos procedimentos e o consentimento informado.

"A doação renal cruzada é mais uma forma de tentar aumentar a doação em vida", sublinhou Hélder Trindade, presidente do IPST.

Ana França anunciou ainda que se vai iniciar em novembro a fase piloto do Registo Português de Transplantação e que serão desenvolvidos acordos com as sociedades científicas, Ordem dos Médicos e Direção-Geral da Saúde.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.