sicnot

Perfil

País

Arqueólogos colocam a descoberto fortificação medieval em Freixo de Espada à Cinta

Uma equipa de arqueólogos ao serviço do município de Freixo de Espada à Cinta está a colocar a descoberto, na zona histórica da localidade transmontana, vestígios da antiga fortaleza medieval da vila, presumivelmente datada do reinado de D. Dinis.

O trabalho procura descobrir o perímetro das muralhas, que deverá rondar os cerca de 300 metros e que, ao que tudo indica, era composto por oito torres de menagem, sendo considerado pelos arqueólogos como um castelo "opulento" para a região de fronteira.

João Nisa, um dos investigadores envolvidos nas escavações, disse à Lusa que se trata de uma fortificação do século XIII, que ao longo do tempo foi sendo "desmantelada", para que as "pedras já trabalhadas" fossem utilizadas na construção de algumas das casas "das famílias mais emblemáticas" da vila de Freixo de Espada à Cinta, do início do século XIX.

"Quem se der ao cuidado de passear pelas ruas da zona histórica de Freixo de Espada à Cinta, depressa se apercebe de que as pedras utilizadas na construção de diversas casas são trabalhadas e detêm o símbolo do canteiro que as talhou, à semelhança do que era usual na Idade Média", justifica.

No local onde esteve edificada a fortificação, só resta a Torre do Galo, de planta heptagonal, que na opinião dos investigadores só resistiu ao tempo "por esta edificação suportar os sinos que ecoam na vila, já que a igreja matriz não tem torre sineira.

"É possível observar que não existe nada do antigo castelo medieval. Com a retirada da sua função de sentinela do Douro, tudo é explicado com a construção de um cemitério no interior do recinto muralhado em 1836 e consequente demolição de alguns troços da muralha defensiva", acrescentou o investigador.

A zona envolvente ao atual cemitério vai ser intervencionada, sendo por isso objetivo, colocar a descoberto, tudo o que seja possível, para assim se perceber melhor, um pouco do passado da localidade raiana.

Até ao momento, já foi possível pôr a descoberto parte das fundações da muralha, a porta principal do castelo e uma das torres octogonais que integravam a linha defensiva da fortificação.

Para além de contribuir para a defesa do invasor castelhano, o castelo de Freixo de Espada à Cinta tinha por missão defender o percurso da travessia do rio Douro, feita através de uma barca, que fazia a ligação transfronteiriça com o reino de Castela.

Freixo de Espada à Cinta e o seu castelo encontram-se figurados por Duarte de Armas no seu Livro das Fortalezas, datado de 1509,onde se destaca a cerca da vila reforçada por diversas torres, de planta hexagonal e pentagonal, dispostas a intervalos regulares e o castelo cercado pela barbacã (um muro anteposto às muralhas, de menor altura).

Por este e outros motivos, a autarquia está apostada em revitalizar esta zona da vila do distrito de Bragança e conservar "os seus primórdios".

A presidente da Câmara, Maria do Céu Quintas, refere que é preciso dignificar uma área onde estão as memórias de Freixo de Espada à Cinta.

"Pretendemos que os vestígios do antigo castelo, em conjunto com outros monumentos emblemáticos, sejam um ponto de atração turista para a vila", concluiu.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.