sicnot

Perfil

País

Costa diz que tem trabalhado na "plataforma de um Governo"

O secretário-geral do PS considerou esta segunda-feira importante, interessante e produtiva a reunião com o Presidente da República, onde falou do trabalho que tem realizado com as diferentes forças política para a constituição da "plataforma de um Governo".

MIGUEL A. LOPES / Lusa

"Todos temos estado a trabalhar não no programa de cada um dos partidos - cada um tem a sua própria autonomia e expressa aquilo que é posição de cada um dos partidos - mas, a trabalhar naquilo que importa, trabalhar na plataforma de um Governo", afirmou o secretário-geral socialista, António Costa, em declarações aos jornalistas no Palácio de Belém, no final de um encontro de duas horas com o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva.

Adiantando esperar ter até ao final da semana "uma avaliação final" do trabalho que está a realizar com as diferentes forças políticas para transmitir ao chefe de Estado, António Costa referiu que para já transmitiu a "avaliação preliminar" que faz dos contactos que já manteve e sobre a criação de condições para exista um Governo "estável, credível e consistente".

Lusa

  • Coligação ainda não enviou documentos ao PS
    0:37

    Novo Governo

    O líder socialista revelou que vai convocar a Comissão Política do PS para avaliar os contactos que tem tido com os outros partidos. António Costa sublinhou também que a coligação ainda não enviou aos socialistas documentos que servem de base para a reunião marcada para amanhã com o PSD e o CDS.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32