sicnot

Perfil

País

Cancro do pulmão aumenta entre não fumadores e predomina nas mulheres

A incidência de cancro do pulmão está a aumentar entre não fumadores e afeta principalmente mulheres, revela um estudo do Instituto Português de Oncologia (IPO), que quis perceber as diferenças entre doentes fumadores e não fumadores tratados naquela instituição.

© Luke MacGregor / Reuters

Trata-se do primeiro estudo efetuado a nível nacional que caracteriza a população portuguesa relativamente a Carcinoma do Pulmão de Não-pequenas Células (CPNPC), o tipo mais comum de cancro do pulmão, em não fumadores e um dos maiores estudos efetuados a nível europeu, onde os dados sobre cancro do pulmão em não fumadores são escassos.

"Como sabemos, o tabagismo é responsável por 85% 90% dos cancros do pulmão em todo o mundo, sendo o principal fator de risco para esta doença. Contudo, doentes não fumadores também têm cancro do pulmão e pela nossa experiência clínica e também de acordo com os mais recentes estudos epidemiológicos internacionais, estes doentes não fumadores são cada vez mais", explicou à Lusa Cátia Saraiva, do Departamento de Pneumologia do IPO.

Nesse sentido, a equipa da investigadora realizou no IPO de Lisboa um estudo envolvendo 1.411 doentes com CPNPC, para procurar as diferenças entre os dois tipos de doentes tratados no IPO nos últimos 25 anos.

"Foram incluídos neste grupo 504 doentes não fumadores e, para termos comparativos, 907 doentes fumadores. Analisaram-se várias características clínicas, patológicas, epidemiológicas e a sobrevida destes doentes, no intuito de perceber fatores que pudessem estar relacionados com um melhor prognóstico", explicou.

As principais diferenças encontradas entre fumadores e não fumadores foram uma maior predominância de cancro no sexo feminino (54% no grupo dos não fumadores e 9,4% nos fumadores), bem como o predomínio do subtipo histológico Adenocarcinoma (69,9% contra 43,6%).

No entanto, o estudo revelou que existe menor prevalência de patologias associadas ao fumo do tabaco, como cancro da laringe, Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) ou doença cardíaca isquémica, entre os não fumadores

Da mesma forma, foi detetada uma menor mortalidade deste grupo (78,4% entre não fumadores contra 92,9% entre fumadores) e uma maior sobrevida global desde o diagnóstico (51 meses versus 25 meses).

Em suma, indica a investigadora, o CPNPC em não fumadores é mais frequente em mulheres, o subtipo histológico mais frequente é o adenocarcinoma, as co-morbilidades associadas com o tabaco são menos frequentes e a sobrevida é melhor.

"Isto leva-nos a concluir que o CPNCP em não fumadores é uma entidade clínica diferente com melhor prognóstico, ou talvez se manifeste de forma diferente em não fumadores", acrescentou.

Ao contrário do que seria de esperar, contudo, ambos os grupos de doentes continuam a ser diagnosticados no último estádio da doença, pelo que é importante que quer os médicos, quer a população em geral, fique alerta para o cancro do pulmão em não fumadores, para que o diagnóstico seja feito mais atempadamente, com maior benefício para os doentes, considera Cátia Saraiva.

No grupo de não fumadores foram frequentemente diagnosticados estádios avançados da doença, mais de metade (59%) estavam já no estádio IV, em que o cancro se tinha espalhado a outras partes do corpo: diferentes áreas do mesmo pulmão, pulmão oposto, ossos e cérebro.

"Parece plausível que a população de não fumadores portugueses não está ciente dos riscos de cancro de pulmão, mas precisamos de confirmar os nossos resultados através de estudos de base populacional", refere a investigadora.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.