sicnot

Perfil

País

Combate à pobreza não tem sido uma prioridade dos governos europeus

O presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza (EAPN Europa), Sérgio Aires, afirmou hoje que o combate à pobreza não tem sido uma prioridade dos governos europeus, que adotaram um modelo de crescimento económico que privilegia o lucro.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Mohamed Al-Sayaghi / Reuters

"Não nos parece que nos últimos quatro, cinco, seis anos o combate à pobreza tenha sido uma prioridade e quando olhamos para a estratégia europeia 'Europa 2020' e todos os outros mecanismos de governação europeia" constata-se que "o objetivo da inclusão social é secundarizado pelo objetivo do crescimento", disse Sérgio Aires à agência Lusa.

Esse crescimento está muitas vezes "preparado para ser feito à custa da redução de direitos em termos de proteção social e garantias de proteção ao cidadão", sublinhou Sérgio Aires.

O papel da Europa no mundo relativamente ao combate à pobreza vai estar em debate hoje e na quarta-feira, na Figueira da Foz, no VII Fórum Nacional de Combate à Pobreza e Exclusão Social, promovido pela EAPN Portugal para assinalar o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza (17 de outubro).

Segundo o presidente da EAPN Europa, o continente europeu, particularmente a União Europeia não tem conseguido combater este problema.

A situação de passar de "85 milhões de pobres em 2010 para 123 milhões em 2013" devia "fazer soar todas as campainhas da União Europeia e devia fazer com que os nossos dirigentes considerassem que este [combate à pobreza] é o primeiro objetivo", frisou.

Advertiu, a este propósito, que "sem coesão social muito dificilmente haverá crescimento" ou então existirá "um crescimento que não é seguramente aquele que salvará as pessoas da pobreza".

Mas os países com taxas de pobreza e de risco de pobreza mais altas sentirão mais dificuldade em fazer face a este fenómeno, que é global.

"Esse é um dos problemas que temos de ter em consideração e que muitas vezes é mal-encarado. Ou seja, pensa-se que a pobreza é um problema português, mas o problema da pobreza em Portugal não é um problema exclusivamente nacional", salientou.

As suas causas estão também relacionadas com "o contexto internacional e o mundo em que vivemos": "Se Portugal tem uma economia relativamente débil não se deve apenas à nossa responsabilidade, mas a muitas decisões que foram tomadas ao mais alto nível em termos globais".

Para Sérgio Aires, a causa do problema na Europa deve-se ao modelo económico adotado pelos governos, que "não põe em primeira instância o bem-estar das pessoas, mas o lucro de alguns em detrimento da pobreza dos outros".

"O tipo de crescimento que a Europa quer ter está tendencialmente a ser feito à custa da vida das pessoas e do seu bem-estar, nomeadamente pela redução da prestação social, que é um caso paradigmático", comentou.

"A proteção social, que é fundamental para a economia poder crescer, está hoje sob suspeita. É aí que se tem feito grandes cortes em todos os países, particularmente naqueles que mais têm sido afetados pela austeridade", lamentou.

Lusa

  • Portugal é um dos subscritores da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável da ONU
    1:57

    País

    A situação dos refugiados foi um dos temas do discurso de Cavaco Silva nas Nações Unidas. Em Nova Iorque, o Presidente da República anunciou que Portugal é um dos subscritores da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável, o mais ambicioso plano da ONU para os próximos 15 anos. Erradicar a pobreza extrema, facilitar o acesso à saúde e à educação e melhorar o ambiente são algumas das 17 áreas contidas na agenda 2030.

  • Mulher vive em casa sem água e sem luz na Moita
    4:48

    País

    Um caso de pobreza extrema arrasta-se há anos, sem solução, no concelho da Moita.Uma mulher de 56 anos vive numa casa degradada, vazia, sem água e sem luz.Sobrevive com a ajuda dos vizinhos, que a alimentam e vestem.As autoridades locais conhecem a situação e dizem agir na medida das suas competências. Uma mulhe de 56 anos vive numa casa degradada, vazia, sem agua e sem luz.Subrevive com a ajuda dos vizinhos, que a alimentam e vestem.As autoridades locais conhecem a situação, e dizem agir na medida das suas competencias.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.