sicnot

Perfil

País

GNR fiscaliza uso do cinto de segurança e telemóvel na condução amanhã

A GNR anunciou hoje que vai intensificar, na quarta-feira, em todo o país, a fiscalização ao uso do cinto de segurança, das cadeirinhas para crianças e utilização do telemóvel durante a condução.

© STR New / Reuters

Segundo a Guarda Nacional Republicana, para a operação, denominada "Anjo da Guarda", vão estar mobilizados militares dos comandos territoriais e da Unid ade Nacional de Trânsito.

As ações de fiscalização vão estar direcionadas para as vias situadas no interior das localidades, estradas nacionais, regionais e municipais onde estas infrações são mais frequentes, refere a GNR, em comunicado.

A GNR registou este ano 22.864 infrações por uso do telemóvel durante a condução, 24.664 por incorreta ou não utilização do cinto de segurança e 1.764 relacionados com as cadeirinhas para crianças.

Perante estes números, a GNR sublinha que vai realizar este ano diversas "operações de cariz preventivo, com o objetivo de alertar os condutores para os riscos associados a estas infrações, principalmente da incorreta ou não utilização do cinto de segurança ou cadeirinha para crianças, que estão associadas às principais causas de agravamento das lesões provocadas em caso de acidente".

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.