sicnot

Perfil

País

PAN contra venda de mais animais na Feira dos Passarinhos no Porto

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) organizou uma manifestação na segunda-feira à noite no Porto contra o regulamento da Feira dos Passarinhos que a Câmara propôs e que, mais tarde, a Assembleia Municipal aprovou.

A manifestação decorreu junto ao edifício da câmara, antes da reunião da Assembleia Municipal que aprovou o novo regulamento, que contempla a "comercialização de outros animais de companhia para além das aves" na Feira dos Passarinhos, argumentando que isso já é uma prática.

A proposta prevê ainda a mudança desta feira para as Fontainhas. Atualmente, a feira realiza-se aos domingos em frente à Cadeia da Relação, junto aos Clérigos, num espaço que a autarquia considera "desadequado".

A cabeça de lista do PAN pelo círculo do Porto nas recentes eleições legislativas nacionais, Bebiana Cunha, disse à agência Lusa que "é inaceitável alargar a venda a outros animais, porque os animais não são mercadorias".

Os ativistas do PAN presentes na manifestação empunhavam cartazes onde se liam mensagens como "Abre as gaiolas e planta árvores" e "Os animais não são coisas, diz não à venda de animais".

"Queremos um Porto que trate dignamente os animais, seguindo o exemplo de outras cidades e países", disse Bebiana Cunha, dando como exemplo positivo Sintra.

A ativista afirmou ainda que o PAN pretende "contribuir para uma política de proteção dos animais que salvaguarde a sua dignidade" e, por outro lado, declarou-se favorável à "esterilização e adoção de cães".

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.