sicnot

Perfil

País

Dois polícias e um inspetor de automóveis detidos por corrupção e abuso de poder

Dois polícias e um inspetor de um centro de inspeção automóvel foram detidos por suspeitas de corrupção, abuso de poder e falsificação, anunciou esta terça-feira o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da Polícia de Segurança Pública (PSP).

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Em comunicado, o Cometlis explica que as detenções ocorreram hoje de manhã, na sequência de uma investigação que já durava há cerca de um ano, a qual culminou com o cumprimento de sete mandados de busca domiciliária, três mandados de busca em centros de inspeção automóvel/oficina e três mandados de detenção.

Fonte policial disse à agência Lusa que os polícias são suspeitos de funcionarem como "intermediários na angariação" de clientes e no contacto com o terceiro detido, que trabalhava num centro de inspeção automóvel, em Lisboa, a troco de dinheiro.

O inspetor, por seu lado, "facilitava nas inspeções", também a troco de quantias monetárias "pagas por fora" pelos condutores das viaturas inspecionadas.

"A operação policial [denominada "Operação Rodas"] culminou com a detenção de três suspeitos, dois deles agentes da PSP e um inspetor de centro de inspeção automóvel", refere a nota.

Um dos polícias detidos está colocado na Direção Nacional da PSP, encontrando-se de baixa médica "há já algum tempo", enquanto o outro agente prestava serviço numa divisão policial do Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis).

Segundo a policial, além dos três detidos, foram, no decorrer do dia de hoje, constituídos mais "dois arguidos", acrescentando haver a possibilidade de virem a ser constituídos "dezenas de outros arguidos" no decurso da investigação.

Um dos dois centros de inspeção automóvel alvo de buscas localiza-se em Lisboa, enquanto o outro centro de inspeções e uma oficina situam-se nos arredores da capital portuguesa.

Os detidos serão presentes na quarta-feira ao Tribunal da comarca de Lisboa, no Campus da justiça, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de eventuais medidas de coação.

A investigação esteve a cargo da Divisão de Investigação Criminal, do Cometlis.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.