sicnot

Perfil

País

Campeonato do mundo prepara bombeiros para salvar vítimas em "acidentes brutais"

Campeonato do mundo prepara bombeiros para salvar vítimas em "acidentes brutais"

Numa competição que praticamente não tem pausas e em cenários realistas de acidentes de viação, bombeiros de 23 países testam, em Lisboa, as "melhores e mais avançadas" técnicas de socorro, salvamento e desencarceramento usadas em todo o mundo.

Trata-se do World Rescue Challenge 2015 (WRC 2015), o maior campeonato do mundo de trauma e salvamento, que este ano se realiza pela primeira vez em Lisboa e põe à prova, até domingo, 33 equipas de bombeiros de desencarceramento e 34 em trauma, num total de cerca de 500 participantes.

A pala do Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, foi o local escolhido para a competição, a decorrer desde quarta-feira numa organização da Associação Nacional de Salvamento e Desencarceramento (ANSD), representante do World Rescue Organization (WRO) em Portugal.

Durante os cinco dias do campeonato, os bombeiros confrontam-se com "acidentes brutais" em que os carros estão completamente destruídos e o objetivo é salvar vidas o mais rapidamente possível, sendo, para tal, utilizadas "as mais avançadas técnicas" utilizadas em todo o mundo.

"Tentamos montar cenários que ilustrem aquilo que se passa nas nossas estradas. Há carros em posições que não são tão usuais de acontecer, mas é para desenvolver capacidade técnica das equipas em termos de estabilização, ou seja, se conseguem fazer este tipo de estabilização, num cenário real não terão qualquer tipo de problema em fazer essa estabilização", disse à agência Lusa o presidente da ANSD.

Rui Santos adiantou que "a rapidez é um fator preponderante quando se está perante vítimas críticas", embora os bombeiros tenham que ter "sempre em mente a segurança".

As equipas são avaliadas por jurados internacionais nas vertentes de "comando", "cuidados pré-hospitalares" e "resposta técnica", explicou.

Em verdadeiro contra relógio, as provas de desencarceramento e trauma decorrem durante o dia e sem parar e, muitas delas, em simultâneo. No total vão ser destruídos e cortados mais de 120 carros, além de inúmeros efeitos especiais de caraterização, em que cada acidente tem um ou mais vítimas debaixo das viaturas.

Além da natureza competitiva, o campeonato visa promover o conhecimento e a partilha das melhores práticas de salvamento e desencarceramento, contribuindo, assim, para melhores cuidados de emergência à vítima, segundo Rui Santos.

O mesmo responsável disse ainda que "as equipas em competição são as melhores do mundo, tendo um "nível de qualidade elevadíssimo".

Em Lisboa estão equipas da África do Sul, Alemanha, Brasil, Canadá, Escócia, Espanha, Estados Unidos da América, França, Holanda, Inglaterra, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Paraguai, República Checa, Roménia, Suécia, Suíça e Portugal.

Por Portugal, participam os bombeiros sapadores de Lisboa e Porto, os municipais da Figueira da Foz e os voluntários de Cacilhas, Aguda, Parede e Sul e Sudoeste do Barreiro, além de uma equipa da Cruz Vermelha de Maiorca.

Rui Santos explicou que estas equipas portuguesas foram selecionadas num campeonato nacional.

Na edição do ano passado, que se realizou em Inglaterra, o Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa ficou em primeiro lugar, na classificação geral, e obteve o segundo lugar do pódio em manobras de desencarceramento.

Os vencedores do World Rescue Challenge 2015 são conhecidos no domingo à noite.

Com Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.