sicnot

Perfil

País

Cavaco inicia terça-feira ronda de encontros com audição do PSD

O Presidente da República recebe na terça-feira, a partir das 15:00, delegações do PSD, PS, Bloco de Esquerda e CDS-PP, anunciou este sábado a Presidência.

Cavaco e Passos reuniram-se dois dias após as eleições legislativas.

Cavaco e Passos reuniram-se dois dias após as eleições legislativas.

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com a agenda do Presidente da República hoje divulgada, Aníbal Cavaco Silva começará por receber delegações do PSD, PS, Bloco de Esquerda e CDS-PP com um intervalo de uma hora entre cada encontro.

Na quarta-feira, receberá, a partir das 10:30, delegações do PCP, Partido Ecologista "Os Verdes" e do PAN - Pessoas-Animais-Natureza.

A Constituição da República prevê que o primeiro-ministro é "nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais".

PSD, CDS-PP, PS, BE, PCP, PEV e PAN foram os partidos que obtiveram representação parlamentar nas eleições legislativas de 04 de outubro.

A coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) perdeu a maioria absoluta e obteve 107 mandatos (89 do PSD e 18 do CDS-PP). O PS elegeu 86 deputados, o BE 19, a CDU 17 (dois do PEV e 15 do PCP) e o PAN elegeu um deputado.

As audiências com os partidos iniciam-se um dia depois de o chefe de Estado se reunir com o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, a quem encarregou de desenvolver diligências para avaliar as possibilidades da constituição de uma "solução governativa que assegure a estabilidade política e a governabilidade do país".

Lusa

  • Situação política em Portugal não é para discutir em Bruxelas, diz Passos Coelho
    1:34

    Novo Governo

    Terminou o Conselho Europeu em Bruxelas - em que a crise migratória na Europa esteve em discussão. Na declaração final após a reunião dos líderes europeus, Pedro Passos Coelho pouco ou nada disse sobre o momento que se vive em Portugal. Diz apenas que essa é matéria para ser discutida em Lisboa e não em Bruxelas. Ainda assim, o primeiro-ministro falou sobre os prazos de entrega do Orçamento do Estado e disse que não há motivo para preocupação, pelo facto de Portugal não ter um orçamento para apresentar, na reunião do Eurogrupo, marcada para 23 de novembro.

  • Portas defende que o Presidente deve indigitar Passos como primeiro-ministro
    1:30

    País

    O PS fez saber, ao final da tarde desta sexta-feira, que já respondeu por carta às propostas da coligação. Antes de receber a carta do Partido Socialista, Paulo Portas defendeu que está em curso uma operação para sequestrar os votos da coligação e insistiu que o Presidente da República deve indigitar Passos Coelho para formar governo.

  • Foi Passos Coelho que pôs fim ao diálogo, diz António Costa
    1:40

    País

    António Costa diz que foi Pedro Passos Coelho quem pôs fim ao diálogo entre o PS e a coligação de direita. Em entrevista à TVI, o secretário-geral dos socialistas acusou o PSD e o CDS de esconderem a real situação financeira do país e de negarem informação ao PS.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.