sicnot

Perfil

País

GNR registou 455 roubos na via pública até agosto, menos 54 face a 2014

A Guarda Nacional Republicana (GNR) registou, entre janeiro e agosto deste ano, 455 roubos na via pública, em Portugal Continental, menos 54 face a igual período de 2014, segundo dados facultados hoje à agência Lusa.

Os dados recolhidos pela GNR na sua área de intervenção, que abrange cerca de 90% do território nacional continental, revelam que nos primeiros oito meses de 2014 registaram-se 509 destes crimes, face aos 455 deste ano, o que representa uma diminuição de 10,6%.

Em termos globais nacionais, a GNR registou, de janeiro de 2010 a agosto deste ano, nos 18 distritos do país, 5.006 roubos na via pública: 964 em 2010, 1.040 em 2011, 910 em 2012, 889 deste tipo de crimes em 2013, 748 no ano passado e 455 assaltos até agosto último.

"O trabalho que tem sido feito tem contribuído decisivamente para reduzir este número de roubos, nomeadamente através de maior visibilidade das ações de patrulhamento dos militares da GNR nas zonas mais críticas", disse à agência Lusa fonte da GNR.

Além disso, esta força de segurança tem também apostado "na prevenção criminal e na realização de ações de investigação criminal, que culminaram na detenção de diversos indivíduos que se dedicavam a este tipo de prática criminal", acrescentou a mesma fonte.

De acordo com os dados, Setúbal, Faro, Porto e Lisboa continuam a ser, de forma destacada, os distritos onde se verificaram mais roubos na via pública nos primeiros oito meses deste ano, à semelhança do que aconteceu em igual período de 2014, embora com uma redução do número de crimes.

O distrito de Setúbal registou 161 roubos na via pública de janeiro a agosto de 2014, enquanto foram 127 os ocorridos até agosto deste ano, um decréscimo de 34 ocorrências.

Em Faro houve uma redução de 89 para 80 crimes deste tipo, no Porto verificou-se uma ligeira diminuição, de 78 para 76, enquanto Lisboa manteve este ano o registo de 59 roubos na via pública registados até agosto de 2014.

Há ainda a sublinhar o facto de a GNR não ter registos, nestes oito meses de 2014 e de 2015, de roubos na via pública no distrito de Bragança.

Até agosto deste ano, 271 dos roubos na via pública foram realizados sem arma e 113 com recurso a arma branca. Os restantes foram perpetrados com recurso a outros meios.

No mesmo período, 291 destes crimes foram cometidos por suspeitos a pé, enquanto 114 utilizaram uma viatura ligeira e 12 recorreram a motos. A GNR não dispõe dos meios utilizados nos restantes.

Analisando os dados por concelho verifica-se que Albufeira, Almada e Loulé continuam a ser os mais atingidos por este tipo de roubos: 35, 29 e 19, respetivamente, até agosto último.

No mesmo período de 2014, Loulé registou 44 roubos na via pública, Almada, 39, Albufeira, 38, e Setúbal 24.

Segundo os dados da GNR, sextas-feiras e domingos são os dias onde há registo de mais roubos na via pública, cada um com 17% das ocorrências, seguindo-se as segundas-feiras com 16%.

Sábado é o dia em que se verificaram menos roubos na via pública, com 11% destes crimes.

Os períodos das 18:00 às 19:00 e entre as 00:00 e as 03:00 são aqueles em que se registaram mais ocorrências deste tipo.

A maioria dos roubos na via pública é levada a cabo por suspeitos com idades entre 20 e 30 anos.

Este crime é praticado, na maioria das vezes, por um, dois ou três indivíduos.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28