sicnot

Perfil

País

Regiões Centro e Sul sob aviso amarelo durante a manhã

​O IPMA colocou as regiões do Centro e do Sul de Portugal continental sob aviso amarelo na manhã de domingo, prevendo "aguaceiros temporariamente fortes", uma situação que deverá manter na segunda-feira, melhorando no dia seguinte.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

A meteorologista Cristina Simões, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), disse à agência Lusa que, para domingo e para segunda-feira, prevê-se "a passagem de algumas linhas de instabilidade que dão temporariamente uma precipitação um pouco mais intensa", antecipando que esses aguaceiros podem ser superiores a 10 milímetros por hora, o que justifica o alerta amarelo para o centro e sul no domingo de manhã.

"Uma situação [que se prevê] também para segunda-feira, se bem que não tenhamos ainda posto o aviso. Apenas para terça-feira se prevê que esta depressão esteja mais afastada do continente, prevendo-se então uma melhoria para terça-feira", disse a meteorologista.

Quanto ao estado do tempo verificado hoje, Cristina Simões reportou que houve "rajadas com alguma intensidade no território do continente, especialmente no litoral e nas terras altas, com rajadas à volta de 120 a 130 quilómetros por hora", registadas no cabo da Roca e no cabo Carvoeiro, tendo o pico máximo ocorrido durante a manhã.

"Foi uma situação que diminuiu ao longo da tarde e é uma situação para manter agora nos próximos dias", acrescentou a responsável do IPMA, antecipando "um vento já bastante mais fraco".

Quanto à precipitação, Cristina Simões explicou que foram registados "aguaceiros temporariamente fortes e um pouco dispersos por todo o território, especialmente na zona centro".

Quanto à zona de Lisboa, onde se prevê que se realize no domingo uma maratona e uma meia-maratona cujo percurso inclui a travessia da Ponte Vasco da Gama, a meteorologista adianta que a previsão para esse dia "a nível de vento não é uma situação preocupante" e que, no que se refere à precipitação, "poderá haver aguaceiros que temporariamente poderão ser mais fortes", acrescentando que "não é uma situação que persista por muito tempo".

Cristina Simões disse que esta informação já foi transmitida à Proteção Civil, sublinhando que não cabe ao IPMA decidir se o evento desportivo se realiza ou não.

Na sexta-feira, o Maratona Clube de Portugal assegurou que serão tomadas todas medidas necessárias para salvaguardar, no domingo, os cerca de 24.000 participantes na maratona e na meia-maratona de Lisboa, em função da evolução meteorológica.

Em comunicado, o clube organizador do evento informa que, "em função dos alertas meteorológicos adversos que estão a ser emitidos para este fim de semana (...) tomará todas as medidas necessárias no sentido de salvaguardar a integridade física dos participantes nas provas previstas".

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31