sicnot

Perfil

País

Passos Coelho só "leu críticas" na carta de António Costa

Estão cada vez mais tensas as relações entre a coligação PSD/CDS e o PS. Pedro Passos Coelho já respondeu à carta enviada por António Costa depois das negociações falhadas entre coligação e socialistas.

Armando Franca

Na sexta-feira, entre muitas críticas à direita, o PS enviou 29 prioridades que considera essenciais para que haja um entendimento. Mas o líder do PSD considera que este documento frustrou as expectativas de todos os que contavam com novas conversas.

Passos diz só ter lido críticas e nenhuma contraproposta, e diz que a carta é apenas uma repetição da linha que o PS tem usado para evitar um entendimento.

Mais à frente, na carta a que a SIC teve acesso, desmente que o PS não tenha recebido a informação que pediu e lamenta que os socialistas a usem para fazer propaganda política e para fazer insinuações irresponsáveis.

A terminar, Passos acusa o PS de estar a arrastar o país para a ingovernabilidade, de preferir agir com a extrema-esquerda.

Mas convida mais uma vez o partido a fazer uma contrapropostas ou até a dizer se quer participar numa coligação alargada de governo que inclua PSD e CDS e também os socialistas.

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.